REUTERS/Brendan McDermid
REUTERS/Brendan McDermid

Cerimônia do Oscar volta a ter apresentador em 2022

Mudança acontece após a maior premiação do cinema perder audiência

Lisa Richwine, Reuters

12 de janeiro de 2022 | 09h00

LOS ANGELES - O Oscar terá um apresentador pela primeira vez desde 2018 e retornará à sua antiga casa no Dolby Theatre, informou a emissora ABC nesta terça-feira, 11.

Enquanto outras premiações foram adiadas devido a um aumento nos casos de Covid-19, a ABC, da Walt Disney Co, disse que os planos continuam mantidos para a realização do Oscar, a maior honraria do cinema, no dia 27 de março, em Los Angeles.

A cerimônia deste ano terá um apresentador, afirmou o presidente da ABC Entertainment, Craig Erwich, em um evento da Television Critics Association. Ele não forneceu detalhes. "Pode ser eu", brincou.

O Oscar foi entregue por celebridades, mas não teve apresentador em 2019, 2020 e 2021. As taxas de audiência da transmissão caíram nos últimos anos, chegando ao menor nível de 10,4 milhões de pessoas nos Estados Unidos em 2021. A audiência de outras premiações também sofreu queda.

Fãs do ator britânico Tom Holland sugeriram que ele deveria apresentar o Oscar deste ano após o sucesso estrondoso de seu filme Homem-Aranha: Sem Volta para Casa, possivelmente com sua parceira Zendaya.

Holland disse ao The Hollywood Reporter em dezembro que "adoraria" apresentar a premiação. "Se eles me pedirem, eu faria, e seria muito divertido", declarou.

Apresentadores anteriores incluíram Jimmy Kimmel e os comediantes Chris Rock e Ellen DeGeneres.

A ABC disse em comunicado que o Oscar de 2022 acontecerá novamente no Dolby Theatre, em Hollywood.

No ano passado, os prêmios foram transferidos para a histórica estação de trem Union Station, no centro de Los Angeles, com uma pequena quantidade de indicados e convidados para proteção contra a Covid.

As indicações ao Oscar serão anunciadas em 8 de fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.