Cerimônia de premiação do Oscar promete não poupar Bush

Grande festa do cinema, ameaçada dias atrás pela greve dos roteiristas, escolhe neste domingo os melhores

Ubiratan Brasil, de O Estado de São Paulo,

08 Fevereiro 2024 | 18h59

Histórias manchadas de sangue, espionagem, traição, gravidez indesejada, mal de Alzheimer - os finalistas da 80ª cerimônia de entrega do Oscar que ocorre neste domingo, 24, à noite (transmissão a partir das 22h30, no Canal TNT) privilegiam o lado obscuro da alma humana. A vitória de Os Infiltrados como melhor filme no ano passado parece ter aberto uma trincheira que ainda continua escavada. "Este será o segundo ano consecutivo em que o ganhador da estatueta de melhor filme estará apontando uma arma, pronto para ferir", comentou o especialista Tom O'Neil, em entrevista à agência France Presse.   Veja também: Enquetes populares apontam 'Juno' como preferido para Oscar Confira a lista completa dos indicados ao Oscar 2008 Os indicados ao Oscar 2008   A referência se encaixa bem em Onde os Fracos Não Têm Vez, dos irmãos Joel e Ethan Coen. Baseado no romance de Cormac McCarthy, o filme reflete sobre a crise de valores que marca a atual sociedade americana a partir da história de uma violenta corrida atrás de uma mala recheada de dinheiro. O filme ainda coloca a dupla de irmãos em uma rara situação: a de indicada em quatro categorias que, se vencidas, a colocará em um panteão exclusivo.   Será a primeira dupla de irmãos, por exemplo, a vencer o Oscar de melhor direção e a segunda parceria a dividir o prêmio de melhor filme - a primeira foi Robert Wise e Jerome Robbins em 1961, por Amor, Sublime Amor. Eles concorrem também na categoria de roteiro adaptado e na de edição, esta sob o curioso pseudônimo de Roderick Jaynes. E quem subirá ao palco se esse nome for anunciado? Uma das possíveis surpresas reservadas.   Outra deverá ser a própria cerimônia, ameaçada dias atrás pela greve dos roteiristas, que deixou uma dívida avaliada em R$ 2,5 bilhões para a cidade de Los Angeles. O humorista Jon Stewart deverá comandar novamente a festa com a promessa de mais uma vez não poupar o presidente George W. Bush e a Guerra do Iraque, uma tentativa de garantir a atenção da platéia internacional (cerca de cem países acompanharão a cerimônia ao vivo). "Ele foi um apresentador espetacular em 2006", comentou, à France Presse, Gil Gates, produtor da cerimônia. "Ele é inteligente, rápido, divertido. Que mais poderíamos esperar?"   Já os discursos de agradecimento continuam uma incógnita. Espera-se que não se repitam, por exemplo, momentos constrangedores como o protagonizado recentemente pela veterana atriz britânica Julie Christie que, ao festejar o prêmio recebido na cerimônia do sindicato dos atores, pediu desculpas caso se esquecesse de citar alguém. "É que ainda não saí do papel", brincou ela, que interpreta uma mulher que sofre com o mal de Alzheimer em Longe Dela.   Julie Christie é favorita ao prêmio de melhor atriz assim como Daniel Day-Lewis, por Sangue Negro, entre os atores. O espanhol Javier Bardem poderá se consagrar como o primeiro ator de seu país a levar uma estatueta se confirmar seu favoritismo entre os coadjuvantes por seu trabalho em Onde os Fracos Não Têm Vez, no qual utiliza uma peruca que o assemelha a Moe Howard, dos Três Patetas.   Já entre as atrizes que disputam a categoria de coadjuvante, Cate Blanchett era a franca favorita, por sua bela caracterização de Bob Dylan em Não Estou Lá - ela concorre também como atriz principal por Elizabeth - A Era de Ouro. Mas, a veterana Ruby Dee vem ganhando posições nas bolsas de apostas pela sua participação como mãe de Denzel Washington em O Gângster. Se vencer, Ruby será a mais velha ganhadora de uma estatueta, aos 83 anos e quatro meses de vida.   Na categoria de documentários de longa-metragem, a Guerra do Iraque é o assunto predominante: dois dos cinco indicados tratam do tema (No End in Sight, de Charles Ferguson, centrado na invasão americana, e Taxi to the Dark Side, de Alex Gigney, que trata da morte de um taxista afegão de 22 anos, Dilawar, quando estava preso na base aérea de Bagram, em 2002). Polêmico profissional, Michael Moore está de volta com Sicko - SOS Saúde, em que retrata o diabólico sistema de saúde americano. "Anos atrás, quando venci por Tiros em Columbine, fui vaiado quando critiquei abertamente a política de George W. Bush", disse Moore à France Presse. "Agora, a Academia selecionou dois filme antiguerra. Os tempos mudaram."   Outra categoria que desperta atenção, a de melhor filme estrangeiro, é dominada, neste ano, por dramas históricos. Dois são ambientados na 2ª Guerra Mundial: The Counterfeiters, da Áustria, que leva um certo favoritismo; e Katyn, do veterano polonês Andrzej Wajda. O primeiro trata do dilema enfrentado pelos prisioneiros judeus, obrigados a trabalhar na fabricação de dinheiro falso para financiar o nazismo. Já o segundo mostra a matança de oficiais poloneses pelo Exército soviético. Filmes que ressaltam um debate moral e social.

Mais conteúdo sobre:
Oscar premiação cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.