Celulari estuda papel de Silvio Santos no cinema

Qual a semelhança entre Silvio Santos e Edson Celulari? Até agora, absolutamente nenhuma. Mas se depender do produtor Guga de Oliveira, o ator está bem perto de interpretar o apresentador no cinema. Pouco depois de anunciar que iria fazer o filme Era Uma Vez... No Brasil, um retrato dos últimos 50 anos do País - que tem a história de Sílvio Santos como fio condutor -, Guga de Oliveira disse que sua primeira opção para o papel era Edson Celulari. Mas nada ainda está definido. "Na verdade, só recebi o convite mesmo uma semana depois", conta o ator ao JT.Se vai aceitar ou não Celulari ainda não sabe. Tudo vai depender do roteiro - que ele ainda não recebeu. "O papel pode ser até de Deus, mas se eu não gostar do roteiro não aceito." Sobre o que pensa do personagem real, Celulari é sintético: "Respeito Silvio Santos como empresário, mas a vida dele só me interessa como roteiro."Celulari não está preocupado se vai ser Silvio Santos no cinema. Esse também nem é o primeiro papel baseado em uma pessoa famosa que Celulari interpreta. Em 1995, o ator interpretou o personagem bispo Mariel na minissérie Decadência. Com alguns detalhes baseados na vida do bispo Edir Macedo, o personagem mostrava um garoto adotado por uma rica família que ascende socialmente, tornando-se um pastor influente.Mas agora o que mais ocupa a atenção do ator é a chegada de mais um filho. Ele e Cláudia Raia - com quem é casado há quase dez anos - anunciaram na semana passada que Enzo, de 5 anos, vai ganhar um irmão (ou irmã)."Adoramos casa cheia, família grande..." Na hora de dizer se prefere menino ou menina, ele assume: "É aquela história: o que importa é ter saúde, mas uma menina agora seria maravilhoso, porque seria uma experiência nova."Justamente por conta desse novidade que ele não está fazendo muitos planos para este ano. O único personagem com o qual já se envolveu é o pintor francês que vai representar na nova novela das seis da Globo, Sabor da Paixão, que substituirá Coração de Estudante."Ele é um tipo meio marginal, que bebe para esquecer um passado trágico", adianta o ator. "E não é um galã, o que me animou ainda mais a fazê-lo", diz o ator, que ainda não sabe quem será seu par romântico na trama.Para viver o novo personagem, Celulari, 44 anos, resolveu até assumir os cabelos grisalhos. "Nem eu sabia que já tinha tantos fios brancos!" Quem o convenceu foi o cabelereiro Wanderley Nunes, que cuida de seus cabelos há anos. "Até que estou me sentindo muito bem assim. Não chego a ser um Richard Gere, mas digamos que também tenho um certo charme", brinca.Celulari escolheu a profissão de ator aos 15 anos, quando entrou em um grupo de teatro amador na sua cidade natal, Bauru, no interior de São Paulo. Antes disso, pensou em ser dentista ("por uma questão geográfica: Bauru tem uma das melhores faculdades de odontologia do País"), engenheiro ("adoro matemática e coisinhas eletrônicas") e jogador de futebol.Depois, mudou-se para a capital, onde foi estudar na Escola de Arte Dramática da USP. Não terminou o curso - ficou faltando um ano - e já entrou no mercado. Fez cinema (o primeiro filme foi Asa Branca), teatro (a peça Tudo em Tudo) e estreou na televisão, na novela Salário Mínimo, na extinta rede Tupi."Cinema é a área que eu mais gosto como linguagem, mas foi o que menos experimentei. Teatro é onde realizo meu sonho como artista. É onde me lanço, me desafio e me supero. E a tevê é algo que eu adoro fazer por ser popular para o País todo, além de ter uma qualidade excepcional."A única frustração de Celulari é nunca ter feito rádio. E outra experiência que ainda diz querer experimentar é o circo. No ínicio do ano assistiu a uma apresentação do Cirque du Soleil e ficou fascinado. "É impressionante. Gostaria muito de fazer aquilo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.