CCBB exibe clássicos da Cinédia para celebrar 75 anos

A Cinédia foi o estúdio que fez a transição entre o cinema mudo e o falado no Brasil. Fundada há exatos 75 anos, por Adhemar Gonzaga, a Cinédia ganha agora retrospectiva dos seus filmes no Centro Cultural Banco do Brasil. Será oportunidade de reencontrar títulos fundamentais da história do cinema brasileiro, em especial algumas de suas obras-primas, como Ganga Bruta, de Humberto Mauro, e Mulher, de Octávio Gabus Mendes. Confira a programaçãoAlém, claro, de filmes de imenso sucesso na época, o maior dos quais o melodrama O Ébrio, de Gilda Abreu, com o cantor Vicente Celestino no papel-título. Contabilizar com precisão as bilheterias de filmes dessa época é sempre complicado, pois não existem estatísticas confiáveis. No entanto, O Ébrio, com certeza, se encontra entre as maiores bilheterias de toda a história do cinema nacional. Foi um fenômeno, arrastando multidões aos cinemas, como pode se comprovar em pesquisa em qualquer arquivo de jornal. Celestino era cantor de sucesso e transferiu esse carisma para o seu personagem, um médico traído pela mulher que se afunda em bebida e melancolia pelas tavernas. Na cena de maior comoção, Celestino entoa, com sua voz de trovão, a música-título: "Tornei-me um ébrio/Na bebida busco esquecer/Aquela ingrata que eu amava/E que me abandonou." Gilda não era apenas uma especialista em melodramas. Dez anos antes de O Ébrio, em 1936, havia dirigido outro sucesso, a comédia musical Bonequinha de Seda, em que uma mocinha endividada faz-se passar por grã-fina, com estudos em Paris, para enganar um credor. Além desses sucessos populares, a Cinédia ostenta em se acervo o clássico Ganga Bruta, título com presença obrigatória em qualquer antologia. De 1933, na exata transição entre o cinema mudo e o falado, este filme de Humberto Mauro traz os elementos bucólicos e líricos da mineiridade, ao mesmo tempo em que incorpora traços urbanos e contemporâneos, tais como a alusão psicanalítica à sexualidade, entre outras cenas ousadas para a época. E não faltaram ousadias à Cinédia. O estúdio podia investir tanto numa comédia ligeira como Lábios sem Beijos, também de Humberto Mauro, como no atrevido drama erótico Mulher, de Octávio Gabus Mendes. No primeiro, uma jovem moderna conhece um conquistador e se apaixona por ele. Mas o casal enfrenta vários desafios e reviravoltas até conseguir ficar junto. Em Mulher, o drama é mais pesado. Uma favelada tenta viver nas ruas, até desmaiar de fome e aceitar ajuda de um rico e cínico escritor, de quem se torna amante. Começa então a conhecer as hipocrisias da alta sociedade, que passa a freqüentar. Para quem acredita (ou alimenta o preconceito) de que o cinema nacional era inocente naquela época, filmes como Mulher e Ganga Bruta se encarregam de mostrar o contrário. É interessante notar também a quantidade de filmes musicais, inspirados na era do rádio. São os casos de Pif-Paf, Alô, Alô Carnaval, Berlim na Batucada, entre outros. São filmes que incorporam em seus elencos algumas das vozes e rostos mais famosos da época, em especial Carmem Miranda, mas também Francisco Alves, Mário Reis e Lamartine Babo. Algumas páginas da cultura brasileira da época estão impressas nesses filmes, que podem ser considerados as primeiras chanchadas. De certa forma, o país alegre, musical, carnavalesco, solar, fazia contraponto com os soturnos melodramas, que também eram parte do acervo do estúdio. Lágrimas e risos para atingir o espectador em uma das mais sólidas tentativas industriais do cinema brasileiro. Entre esses filmes programados há algumas raridades, mesmo para pesquisadores e pessoas habituadas à história do cinema nacional. Por exemplo, desponta em alguns títulos o nome de Milton Rodrigues, um dos irmão de Nelson Rodrigues. Milton dirige uma comédia com Oscarito, chamada de O Dia É Nosso, com um personagem que revela sua verdadeira personalidade ao se tornar vencedor de uma loteria. E, comprovando o interesse da família Rodrigues pelo futebol, Milton irá se transformar num dos primeiros cineastas a dirigir um filme sobre esse esporte, Alma e Corpo de Uma Raça. Feito em meio à campanha para a construção do estádio do Flamengo, contou com a participação de atletas do clube, inclusive de Leônidas da Silva. No enredo, dois atacantes do time titular disputam os favores de uma moça rica, que se decidirá por aquele que der o título ao Mengo. No total são 20 filmes, uns melhores do que outros, todos retratos interessantes para uma história da mentalidade brasileira entre os anos 30 e 50, que foram os melhores para o estúdio. Cinédia 75 Anos. - R. Álvares Penteado, 112, 3113-3651, centro. De hoje ao dia 15. R$ 4 e R$ 2.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.