Cate Blanchett evoca Hollywood de antigamente

Poucos dias depois de fazer o papel de uma atraente professora de arte inglesa, a atriz Cate Blanchett adotou o sotaque alemão e se transformou em uma enigmática prostituta da época da 2.ª Guerra Mundial, em uma performance que já foi comparada à de Marlene Dietrich.Esse tipo de transição não é incomum para a atriz australiana, celebrada pelo comportamento ético no trabalho, por sua inteligência e seu charme, que remetem ao passado de Hollywood.Especialistas dizem que Blanchett, 37 anos, que ganhou o Oscar de atriz coadjuvante há dois anos pelo papel de Katharine Hepburn em O Aviador, tem uma longa carreira pela frente, parecida com as das maiores atrizes do cinema.Ela tem nada menos que três papéis cotados para o Oscar: Babel, em que atua ao lado de Brad Pitt; O Segredo de Berlim , com George Clooney, que estréia nos cinemas norte-americanos esta semana, mas só chega ao Brasil em 23 de fevereiro; e Notes on a Scandal, em que trabalha junto com Judi Dench e que estréia nos EUA no dia 27 de dezembro."Ela é meio sobrenatural", disse Steven Soderbergh, diretor de O Segredo de Berlim , ressaltando o curto período de preparação que ela teve para o longa, rodado em branco e preto numa homenagem aos filmes dos anos 1940, como Casablanca. "Nunca vi uma coisa dessas."Clooney comparou-a a Spencer Tracy pela capacidade de entrar no personagem. E a Variety disse que Blanchett evoca Marlene Dietrich."Tive que usar os recursos que eu tinha e inventar a minha versão, porque de que adiantava imitar Marlene Dietrich, ela o faz com perfeição", disse Blanchett à Reuters.Para Soderbergh, o desejo da atriz de representar papéis diferentes vai lhe garantir um longo reinado. "Vamos acabar comparando outras pessoas a ela", disse o cineasta à Reuters."Eu bem que queria dizer que tenho um plano de cinco anos, mas não sou tão stalinesca assim", disse Blanchett. Ela anunciou, recentemente, que vai assumir a direção da Companhia de Teatro de Sydney, por um período mínimo de três anos, a partir de 2008, junto com o marido, o dramaturgo Andrew Upton."Depois do anúncio, as pessoas ficaram falando do enorme sacrifício que estávamos fazendo", disse Blanchett. "Eu me sinto energizada."A atriz afirmou que vai continuar fazendo filmes, pois há uma cláusula em seu contrato com a companhia que lhe permite se afastar por três meses a cada ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.