Cataguases lança festival de cinema

Minas Gerais vai ganhar um festival de cinema a partir de 2005. O evento ocorrerá em Cataguases, onde o cineasta Humberto Mauro viveu e iniciou sua carreira, e será promovido pela Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, que mantém um centro cultural para preservar a memória de seu morador mais ilustre. Com o festival, a cidade, que tem tradição cultural, pretende integrar os países de língua portuguesa. O 1.º Cineport - Festival de Cinema dos Países de Língua Portuguesa - será lançado neste fim de semana em Cataguases, com a apresença de Nelson Pereira dos Santos, Gustavo Dahl (presidente da Agência Nacional do Cinema - Ancine), Walter Lima Júnior, Fábio Barreto, Alcione Araújo, Walter Carvalho, Bruno Stropiana e Ítala Nandi, entre outros. Com o festival será criada também a Confraria do Cinema, presidida por Paulo César Saraceni. O português é a língua oficial de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste, cujas populações somam 210 milhões, o que o torna o sexto idioma mais falado do mundo. Filmes desses países concorrerão a três de premiações: o Andorinha, para 35 milímetros, o Andorinha Digital e o Prêmio Humberto Mauro, para três personalidades que se destacam nesses países. O nome faz referência ao passarinho que, entre abril e setembro, migra em bandos entre Brasil e África. O Andorinha terá 15 categorias (filme, produtor, diretor, ator, atriz, ator e atriz coedjuvante, fotografia, roteiro, montagem, cenografia, trilha sonora, música, figurino e documentário). O Digital, outras seis (longa-metragem de ficção e documentário, curtas de animação, ficção e documentário e de ficção para WEB). Haverá ainda o prêmio do júri popular para todas as modalidades. A Confraria selecionará os dez filmes que concorrerão à categoria de longa e integrarão mostra itinerante pelos países que falam português.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.