Caso de Sharon Stone é mais grave

A atriz Sharon Stone será submetida a novos exames médicos, disse nesta quarta-feira sua assessora, depois de ter sido diagnosticada na estrela de Instinto Selvagem uma hemorragia cerebral mais grave do que se supunha originalmente. O diagnóstico inicial foi de "hemorragia subaracnóide" - região entre a membrana que envolve o cérebro. "O exames mostraram somente uma hemorragia leve no cérebro, causada aparentemente por um pequeno aneurisma", dizia o comunicado emitido pela porta-voz Cindi Berger.A nova situação, que indica hemorragia no espaço situado entre o cérebro e a membrana arcnóide, a membrana intermediária das três que recobrem o cérebro, causa entre 5% e 10% de todos os derrames. "É uma condição grave e potencialmente fatal", advertiu o neurologista da Universidade de Georgetown Tom Zeffiro, consultadopelo Washington Post sobre o diagnóstico. As estatísticas do doutor Zeffiro não foram alentadoras: "50% dos pacientes não sobrevive mais de seis meses".As informações sobre o caso de Sharon Stone são fragmentárias. Em alguns casos, a hemorragia aracnóide, provocada pela ruptura de um vaso sangüíneo em um ponto débil chamado aneurisma, se cura com uma intervenção cirúrgica. Em todo caso, as primeiras três semanas depois do episódio são cruciais: neste período, segundo os especialistas, registram-se a maior quantidade de complicações. A atriz de 43 anos de idade, indicada ao Oscar por seu papel no filme Cassino de 1995 sobre a máfia, divulgou um comunicado demonstrando que enfrenta a situação com bom humor, explicando que deverá fazer outra angiografia na sexta-feira. "Esta deve ser a determinação final, quando cada parte de minha anatomia será fotografada em detalhe. No final, os mistérios serão resolvidos".Alguns anos atrás os médicos diagnosticaram um câncer linfático em Sharon Stone, porque as glândulas de todo seu corpo estavam inchadas. "Me disseram duas vezes que estava com câncer. Por duas vezes os exames confirmaram o diagnóstico. Logo os testes positivos terminaram, mas passaram-se vários meses que mudaram minha vida", contou a atrizO episódio ocorre quase quatro meses depois de o marido de Sharon, o diretor-executivo do jornal São Francisco Chronicle Phil Bronstein ter sido atacado por um "dragão de Komodo", um lagarto de uns dois metros, que esteve a ponto de arrancar-lhe um dedo do pé durante uma visita privada ao zoológico de Los Angeles. No momento de sua internação, no sábado, quando sofria de intensas dores de cabeça, Sharon Stone não estava trabalhando em nenhuma produção. Há tempos a atriz está longe de Hollywood, preferindo viver em São Francisco ao lado do marido, Phil Bronstein, e de seu filho adotivo.

Agencia Estado,

03 de outubro de 2001 | 18h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.