"Casablanca" é eleito o melhor filme romântico de todos os tempos

Casablanca, a história de amor e abnegação vivida entre os horrores da 2.ª Guerra Mundial, foi eleito o melhor filme romântico americano de todos os tempos numa votação promovida pelo American Film Institute (AFI). O filme, dirigido por Michael Curtiz em 1942 e estrelado por Humphrey Bogart e Ingrid Bergman, encabeça a lista divulgada nesta terça-feira num programa de televisão produzido pelo AFI, intitulado Cem anos...Cem Paixões.Os outros dez filmes da lista são, pela ordem: ...E o Vento Levou, Amor, Sublime Amor (West Side Story) A Princesa e o Plebeu, Tarde Demais para Esquecer, Nosso Amor de Ontem, Doutor Jivago, A Felicidade Não Se Compra, Love Story e Luzes da Cidade.O lista de cem filmes resultou dos votos de 1.800 pessoas, entre diretores, atores, executivos de estúdios, críticos e outras figuras ligadas ao cinema, que fizeram sua escolha a partir de 400 títulos escolhidos pelo AFI. "Creio que, com o passar do tempo, os filmes que recordamos com mais carinho são as histórias de amor", disse Sydney Pollack, diretor de Nosso Amor de Ontem e Entre Dois Amores, que ficou em 13.º lugar na lista.Cary Grant é o ator com mais filmes na lista, seis: além de Tarde Demais para Esquecer, Núpcias de Escândalo, Ladrão de Casaca, Levada da Breca, Cupido É Moleque Teimoso e Interlúdio. Katharine Hepburn é a atriz mais representada. Trabalhou com Cary Grante em Núpcias de Escândalo e Levada da Breca e está na lista também com A Rainha da África, Num Lago Dourado, Adivinhe Quem Vem para Jantar? e A Mulher do Dia.O filme mais antigo da lista é Way Down East, realizada por David W. Griffith em 1920, que ficou em 71.º lugar, e o mais recente é Shakespeare Apaixonado, de 1998, em 50.º.O AFI vem realizando todos os anos programas de televisão como o exibido na terça-feira. Anteriormente, Cidadão Kane havia sido eleito melhor filme americano de todos os tempos, Psicose, o melhor filme de suspense, e Quanto Mais Quente, Melhor (em cartaz em São Paulo), a melhor comédia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.