Divulgação
Divulgação

Carvana, sempre atrás da alegria de trambiqueiros

Diretor estreia segunda parte de 'Casa da Mãe Joana'

Luiz Carlos Merten,

05 Setembro 2013 | 19h34

Com 75 anos de idade e 60 de cinema, Hugo Carvana tem folha corrida para dizer – “Filmo para viver, vivo para filmar”. E ele adora um trambiqueiro. Sua carreira de diretor é a prova. O primeiro longa como diretor lhe valeu instantânea consagração, em 1973 – há 40 anos! E desde Vai Trabalhar, Carvana nunca renegou sua predileção pelos trambiqueiros nem pelo humor. “Já fazia comédia antes que virassem tendência de mercado”, avisa.

Seu novo filme estreia nesta sexta (6) – Casa da Mãe Joana 2. Face ao sucesso do primeiro, em 2008, Carvana retomou a saga dos amigos Antônio Pedro, José Wilker e Paulo Betti. O primeiro escreveu um livro que arrebentou e agora vive de rendas. Wilker partiu pelo mundo em busca da melhor maconha – e foi preso no exterior. Betti não resiste a uma viúva rica. Vira cafajeste na hora.

Está todo mundo de volta e na nova onda do trio, Antônio Pedro é vítima das armações de uma governanta que Betty Faria, intérprete do papel, define como ‘bruaca’. Para vingar a morte da mãe (Carmem Verônica), enganada por Betti, suas filhas partem numa caçada ao patife, dispostas a cortar-lhe as partes íntimas. Uma delas, Leona Cavalli, é aspirante a cineasta e sua participação dá uma ordem à (aparente?) desordem do filme.

Meio milhão de espectadores se interessaram (e curtiram) a primeira edição da Casa da Mãe Joana. Mas o filme não era para todos os gostos. O 2 ainda é menos. O que precariamente passava por novidade agora é repeteco. O que ajuda é o elenco. Carvana filma com os amigos, e eles, no clima de brodagem, se esforçam para imprimir alegria – o que move Carvana – ao relato.

Mais que comédia, o gênero, é a alegria que atrai o diretor. “Fiz meu primeiro filme num momento em que a repressão da ditadura era feroz e as pessoas iam para a cadeia por nada. E eu abri Vai Trabalhar Vagabundo com meu personagem saindo da cadeia.” O próprio Carvana, por problemas de saúde – sofre de mal de Parkinson –, prefere ficar atrás das câmeras, projetando-se nos amigos que coloca frente a elas. Humor, ele diz, não nasce da improvisação. É resultado de disciplina e trabalho. O próprio Carvana não teria pique em cena. O problema é que até os amigos – e o ritmo – claudicam.

Existem coisas pontuais divertidas em Casa da Mãe Joana 2. “Sempre gostei de personagens amorais. Gosto dessas figuras que não se enquadram na ordem natural das coisas”, diz o diretor. “A época é de humor no cinema, mas é um tipo de comédia diferente das que faço. Não estou falando de qualidade. O meu humor se cria a partir de fatos engraçados.” Mãe Joana 2 tem efeitos – e eles exigiram cuidado redobrado do diretor, que nunca havia feito nada assim. Carvana é uma grife. Se você se decepcionar, não desanime. O diretor já tem pronto outro roteiro, que Antônio Pedro vai interpretar. Um sujeito enlouquece no meio do trânsito. A neurose urbana é um grande material para Carvana.

 

CASA DA MÃE JOANA 2

Direção: Hugo Carvana. Gênero: Comédia (Brasil/2013, 100 minutos). Classificação: 14 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.