Saeed Khan/AFP
Saeed Khan/AFP

Carros de 'Mad Max: Estrada da Fúria' são leiloados na Austrália

Treze veículos serão vendidos juntos em esforço para preservar a história do cinema

AFP, Agências

25 de setembro de 2021 | 14h34

Um leilão que termina neste domingo, 26, na Austrália, colocou à venda 13 veículos extravagantes do sucesso de bilheterias Mad Max: Estrada da Fúria, um filme de 2015 ambientado em um deserto pós-apocalíptico. 

"A primeira vez que eu os vi, tenho quase certeza de que escutei um dos carros dizer: 'Preciso ser conduzido com raiva'", contou à AFP Geoff McKew, especialista de automóveis da casa de leilões Lloyds Auctions.

O gigantesco War Rig, um enorme caminhão-tanque pilotado pela personagem de Charlize Theron, ou o Razor Cola, o Ford Falcon XB coupé GT reinventado que enfrentou Max Rockatansky, estão entre os objetos que foram colocados à venda do quarto filme da saga do diretor australiano George Miller.

"Eles (os carros) não deveriam estar descansando em um armazém", sem "receber o respeito que merecem", explicou McKew. 

O leilão tem causado furor em todo o mundo, incluindo os cassinos em Las Vegas e o festival Burning Man nos Estados Unidos.

A casa de leilões não tem a intenção de deixar que os veículos sejam arrematados "por um preço baixo", mas McKew prefere não arriscar uma estimativa para as vendas. 

Além disso, os proprietários somente venderão os 13 veículos juntos, em um esforço para preservar parte da história do cinema.

Apesar de nenhum desses carros poder circular pelas ruas, seria improvável que a polícia conseguisse parar uma "besta" como o "Gigahorse" de dois Cadillac Coupe DeVille de 1959, detalhou McKew.

"Quando o vi pela primeira vez, me preguntei se estava tendo um ataque do coração", contou McKew. 

O sucesso do quarto filme deu um novo gás para o culto à saga de ação distópica australiana, cujo protagonista foi interpretado pela primeira vez por Mel Gibson em 1979.

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaleilão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.