Carrey, o palhaço, sustenta "Eu, Eu Mesmo & Irene"

Só falta Hollywood se render à evidência - o palhaço é um grande ator. Jim Carrey provou-o em O Show de Truman - O Show da Vida e, principalmente, O Homem na Lua. Mas nunca abandona a comédia, que o consagrou, a partir do sucesso de O Máskara. Carrey é de novo a alma de Eu, Eu Mesmo & Irene que estréia nesta quinta-feira em grande circuito. O novo filme dos irmãos Farrelly tem tudo para estourar.Eles fizeram Debi & Lóide com Carrey, depois Quem Vai Ficar com Mary?, com a linda Cameron Diaz. Quem viu esses filmes sabe qual é a praia dos irmãos. Seu humor é politicamente incorreto, o que de imediato já os transforma em figuras à parte no asseptizado panorama do cinema americano da atualidade. Hollywood é aquele lugar do mundo em que milhares de pessoas podem ser trucidadas em cena. Isso é normal, dentro da estética da violência praticada pelos grandes estúdios. Lá é muito mais escandalosa qualquer tentativa de investigar em profundidade os abismos daquilo que se chama de "alma humana".Carrey faz um esquizofrênico em Eu, Eu Mesmo & Irene. Interpreta um patrulheiro com um problema de dupla personalidade. Enquanto Charlie é o policial bem amado de uma pequena cidade do estado de Rhode Island, Hank, que surge quando o primeiro esquece de tomar sua medicação, comete as mais loucas atrocidades. A missão de "ambos" é levar uma jovem (Renée Zellweger), que cometeu uma infração de trânsito, de volta a Nova York. A caracterização do ator despertou polêmica.Aliás, é um dos pontos responsáveis pela polêmica que o filme despertou nos EUA. Associações de médicos e psicanalistas vieram a público chamar os irmãos Farrelly de ignorantes, acusando-os de confundir com esquizofrenia o que é, na verdade, um caso de dupla personalidade. DivulgaçãoNegros, albinos e anões: piadas politicamente incorretas dão o tomO herói é policial. Acostumou-se a reprimir suas emoções e absorver todos os golpes da vida. A mulher, por exemplo, em pleno dia do casamento, casa-se com um anão, com o qual termina fugindo. Deixa três filhos - afro-americanos balofos que amam o pai (Carrey) como se fosse o verdadeiro. O herói desenvolve uma personalidade agressiva para enfrentar a dura realidade. Numa cena decisiva, essas duas personalidades entram em choque, o que permite a Carrey brigar consigo mesmo, com todas as caras e bocas que constituem o seu arsenal para fazer rir.Eu, Eu Mesmo & Irene é O Médico e o Monstro dos Farrelly. Eles não poupam ninguém. Negros, anões, albinos. Tudo o que é diferente é motivo de riso. As piadas são machistas. Mas há ternura nesse humor troglodita. Há, acima de tudo, humor. Tente não rir, se for capaz.Eu, Eu Mesmo & Irene (Me, Myself & Irene) - Comédia. Direção de Bobby e Peter Farrelly. EUA/2000. Duração: 116 minutos. 14 anos.

Agencia Estado,

11 de outubro de 2000 | 20h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.