"Carandiru" tem superprodução

Carandiru é um ambiciosoprojeto da HB Produções e Globo Filmes, com um orçamento de R$12 milhões. A produção deve utilizar 88 atores, dos quais de 10a 20 com papéis de destaque, como Rodrigo Santoro, AntônioGrassi e Maria Luísa Mendonça, além de 8 mil figurantes, queforam selecionados depois de testes de imagem. As gravações começaram no fim de janeiro, no desativadoPresídio do Hipódromo, no bairro da Mooca, em São Paulo. Duassemanas depois, continuaram no estúdio de 5,4 mil metrosquadrados da Vera Cruz, em São Bernardo do Campo, e, em março,deverão ocorrer no próprio Carandiru, no Pavilhão 2, jádesocupado. A autorização oficial veio no dia 30 de janeiro, quandoo secretário da Administração Penitenciária, Nagashi Furukuawa,entregou a chave e o cadeado do portão de entrada do pavilhão aodiretor Hector Babenco. No Pavilhão 2, serão filmadas cenasexternas durante três semanas, prazo máximo concedido para aprodução. Um muro será erguido para separar o 2 dos demaispavilhões a fim de dar segurança à equipe de filmagem. O clímax da história, a rebelião de outubro de 1992 queculminou com a invasão policial e o assassinato de 111 presos,será filmada na Vera Cruz. Naquele dia, Drauzio Varella nãoestava no presídio. "Ele diz que somente os presos, os policiase Deus sabem exatamente o que aconteceu lá", afirma Luiz CarlosVasconcellos, no papel do médico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.