VIKRAM GOUNASSEGARIN-STX ENTERTAINMENT
VIKRAM GOUNASSEGARIN-STX ENTERTAINMENT

Cara Delevingne vai das passarelas às telas de cinema

Para a modelo e atriz, a transição não foi nada fácil, mas o resultado de sua dedicação pode ser visto em ‘Valerian e a Cidade dos Mil Planetas’

O Estado de S. Paulo

23 de julho de 2017 | 20h12

A britânica Cara Delevingne é uma das modelos mais requisitadas do mundo, mas seu primeiro e verdadeiro amor sempre foi a interpretação. No entanto, a transição das passarelas para as telonas não foi nada simples e demandou muito trabalho e persistência.

Delevingne, de 24 anos, ganhou milhões de dólares desfilando nas passarelas de Londres, Paris e Milão para marcas como Burberry e Chanel, e tem incontáveis capas nas revistas Vogue e Grazia.

Sua ascensão no cinema começou em Anna Karenina (2012) junto com Keira Knightley, e teve seu ápice com o drama adolescente Cidades de Papel e o sucesso de bilheteria Esquadrão Suicida. Seu filme mais recente, Valerian e a Cidade dos Mil Planetas, de Luc Besson, estreia no dia 10 de agosto no Brasil.

Para Delevingne, a transição da passarela para as telonas não foi tão simples quanto parece. O mesmo acontece com ex-atletas e celebridades que, por seu rosto conhecido, conseguem os testes, mas ao mesmo tempo têm que trabalhar dobrado para serem levados a sério.

Há dois anos, em um programa nos EUA para promover Cidades de Papel, teve que responder a perguntas duvidosas, como se tinha lido o romance de John Green, que inspirou o filme. Não só leu como também escreveu seu próprio romance, que logo deve ser publicado.

“Sempre existirão pessoas assim. É só outra oportunidade para me manter firme e mostrar que trabalho duro e estou disposta a provar para quem me subestima que estão equivocados.”

Voz de muita força nas redes sociais, com 40 milhões de seguidores no Instagram, Delevingne foi elogiada por servir de apoio a muitos adolescentes que lutam com suas emoções, falando abertamente de sua bissexualidade e sua batalha contra a depressão quando tinha apenas 15 anos.

“Sou abençoada por ser uma influência forte para crianças e adolescentes. Essa sempre foi uma meta, servir de modelo para que possam ver como consegui realizar cada um dos meus sonhos com trabalho duro e determinação”, contou.

Talento. Quando fez a seleção para Laureline, o diretor Luc Besson pensou imediatamente em Delevingne como a atriz que poderia mostrar o espírito de empoderamento da personagem valente que combate o crime junto a Valerian. “Ela se tornou modelo por acidente, porque um agente a viu e disse que ela poderia fazer boas fotos. Mas ela não estava pronta para isso. Cara teve sucesso porque é simpática, mas é uma atriz nata, me surpreendeu. Acredito que esse é o começo de uma longa carreira”, contou Besson.

A crítica define a personagem Laureline como um paradoxo: uma mulher intrépida, independente, que, apesar disso, define sua felicidade por meio de seu sucesso buscando o amor.

“Isso é o que amo sobre a vida em geral, as dicotomias”, afirmou Delevingne. “Claro que quero ser uma mulher que pode cuidar de si mesma e ser completamente independente, mas também entendo que, ao final do dia, todo mundo quer ir para casa e ter alguém que o ame e se preocupe com você, e vice-versa, e chegar algum dia a ter uma família”, confessou.

Laureline, contou a atriz, prova que o romance não é esse jogo sem nenhum ganho para as mulheres, que têm que enfrentar a vida familiar e a carreira.

“Eu me identifico com ela nesse sentido e, claro, sou forte e independente e todas essas coisas, mas no final do dia sou uma romântica incurável”, declarou. “Muita gente nega, mas não somos todos assim?”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.