Julie Sebadelha/AFP
Julie Sebadelha/AFP

Cannes: romeno Cristian Mungiu alerta sobre o flagelo do racismo

'RMN' conta a história de uma pequena cidade na Transilvânia, onde coabitam várias comunidades, incluindo romenos, húngaros e alemães

AFP, Agência

22 de maio de 2022 | 17h07

Um dos diretores mais aclamados do Leste Europeu, o romeno Cristian Mungiu, volta a Cannes com um filme sobre racismo e a rapidez com que o ódio pode surgir em uma comunidade.

RMN conta a história de uma pequena cidade na Transilvânia, onde coabitam várias comunidades, incluindo romenos, húngaros e alemães.

O cotidiano desta cidade é alterado com a chegada de três cingaleses para trabalhar em uma padaria industrial. Sua presença começa a criar bolhas entre os vizinhos e o clima na cidade fica cada vez mais tenso.

"Espero que as pessoas entendam que falo delas", explica à AFP o cineasta, que disputa sua segunda Palma de Ouro, 15 anos depois de "4 meses, 3 semanas, 2 dias", sobre o aborto.

Quando os vizinhos começam a hostilizar os recém-chegados, as autoridades convocam uma reunião pública para decidir o destino desses três trabalhadores.

“Através de pequenos eventos, em pequenas cidades, tento falar sobre a natureza humana e a situação do mundo hoje, e essa sensação de que temos que as coisas não estão indo na direção certa”, explica o diretor.

Segundo ele, "24 horas são suficientes para identificar um inimigo (...) e liberar os instintos animais que estão em nós. Pessoas que são vizinhas são capazes de qualquer coisa amanhã, de estuprar, torturar ou matar", alerta.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.