Cannes chega ao fim com Charlize Theron

Mais um Festival de Cannes chega ao fim. Neste sábado serão anunciados os vencedores da 57.ª edição do Festival Internacional de Cinema de Cannes pelo presidente do júri, o cineasta Quentin Tarantino. A Palma de Ouro, prêmio máximo do evento, será entregue pela atriz sul-africana Charlize Theron. No domingo, todos os filmes da seleção oficial serão projetados novamente e, na cerimônia de encerramento, o grande vencedor será mais uma vez exibido. A torcida brasileira é para que Diários de Motocicleta de Walter Salles ganhe a Palma de Ouro, que o País conquistou uma única vez, em 1962, com Anselmo Duarte por Pagador de Promessas. Os dois filmes mais aplaudidos nas sessões oficiais foram Fahrenheit 9/11, de Michael Moore e Diários de Motocicleta, nesta ordem. Diários recebeu nesta sexta o Prêmio François Chalais, atribuído durante o festival pelo Centro Nacional Francês de Cinematografia. Fahrenheit 9/11 conquistou o prêmio dos críticos internacionais, juntamente com os longas-metragens de ficção Whisky, do Uruguai e Atash, uma produção israelo-palestina, confome divulgou a Federação Internacional de Críticos de Cinema. Hoje serão vistos os dois últimos dos 19 filmes que concorrem à Palma de Ouro. Clean, de Olivier Assayas e The Life and Death of Peter Sellers, de Stephen Hoplins. Clean conta a história de Emily, a viúva de um astro do rock, morto por causa de uma overdose, que tenta reconstruir sua vida após sair da prisão, onde cumpriu pena por posse de drogas. O objetivo de Emily, vivida por Maggie Cheugn, musa do cinema asiático, é recuperar a guarda do filho. No elenco do filme estão também Nick Nolte, Béatrice Dalle, Jeanne Balibar e o rapper Tricky.Adaptado do livro de Roger Lewis de mesmo nome, The Life and Death of Peter Sellers (A vida e a morte de Peter Sellers) tem no elenco Charlize Theron (Oscar de melhor atriz do ano por Monster) e Emily Watson e é estrelado por Geoffrey Rush no papel do ator e comediante britânico da série A Pantera Cor de Rosa e Dr. Strangelove, ou Como Eu Aprendi a não Ter Medo e a Amar a Bomba, de Stanley Kubrick. O filme retrata a vida tumultuada de Sellers, desde o começo de sua carreira à dificuldade em ligar com a possessiva mãe, mostrando um lado menos conhecido do ator, sem deixar o humor de lado. Na lista dos últimos filmes exibidos fora de competição o destaque fica para Notre Musique, de Jean-luc Godard e De-Lovely, de Irwin Winkler, um filme sobre Cole Porter, vai encerrar o festival, com apresentação marcada para a noite do sábado. A edição deste ano do maior festival de cinema do mundo ficou marcada por ter sido especial para os brasileiros. O País foi homenageado com a mostra Um Tributo ao Cinema Brasileiro: 40 Anos de Cinema Novo, onde foram exibidos filmes como Macunaíma (1969), de Joaquim Pedro de Andrade, em cópia totalmente restaurada. A participação na competição oficial de filmes ligados ao Brasil, como o longa Diários de Motocicleta, de Walter Salles, e o curta Quimera, de Erik Rocha e Tunga, bem como a exibição, fora de competição, de Glauber ? o filme, Labirinto do Brasil, de Silvio Tendler, mostram o reconhecimento do cinema nacional. O Brasil também comemora o sucesso de sua produção no mercado. Filmes como O Homem do Ano e O Homem que Copiava foram comprados por diversos países da Europa e pela Austrália. Não foi somente o Brasil que ganhou importância, mas a América Latina como um todo, com diversos filmes participando da competição ou sendo exibidos em mostras paralelas. Um bom exemplo é o longa La Niña Santa, de Lucrecia Martel, da Argentina, com participação francesa, título importante da competição pela Palma de Ouro.O festival este ano também ficou marcado por uma manifestação de trabalhadores do show business francês. Atores, músicos e técnicos, em disputa com o governo da França contra o corte de benefícios trabalhistas, usaram as escadarias do festival para protestar, sem, no entanto, prejudicar o andamento do evento. A presença de duas animações, Shrek 2 e Innocence, e o novo documentário do polêmico Michael Morre, Fahrenheit 911, na lista dos filmes na disputa pela Palma de Ouro também foi um marco do evento deste ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.