Cannes anuncia seleção oficial

Favoritos tradicionais e alguns novos nomes promissores compõem a lista de diretores que levarão seus trabalhos à edição deste ano do Festival de Cinema de Cannes, que volta sua atenção para o acirramento do conflito no Oriente Médio, apresentando um filme israelense e outro palestino como "iniciativas de paz". A seleção anunciada em Paris nesta quarta-feira para o festival, que vai de 15 a 26 de maio, inclui 22 filmes na competição pelo prêmio principal, a Palma de Ouro. Três ex-ganhadores estão de volta, o britânico Mike Leigh (premiado anteriormente por Segredos e Mentiras), o iraniano Abbas Kiarostami (de Gosto de Cereja) e os belgas Jean-Pierre e Luc Dardenne (Rosetta).Entre os representantes dos Estados Unidos, o documentarista Michael Moore (de Roger e Eu) vai apresentar Bowling for Columbine (Jogando em Columbine), que enfoca a cultura das armas, a começar pelo massacre na escola Columbine, no Colorado, em 1999.Também na disputa estão o quarto e mais recente filme de Paul Thomas Anderson (de Magnólia), chamado Punch-Drunk Love (Amor Bêbado de Ponche), estrelando Adam Sandler e Emily Watson. O jovem diretor Alexander Payne (de Eleição) exibe About Schmidt, com Jack Nicholson e Kathy Bates, sobre um homem que tenta controlar a vida da filha.Roman Polanski (de O Bebê de Rosemary) estará em Cannes com The Pianist, com Adrien Brody, sobre um sobrevivente do gueto de Varsóvia durante a 2.ª Guerra. E David Cronenberg, o diretor canadense que presidiu o júri de Cannes em 1999, está de volta com Spider (Aranha), sobre um homem que sofre de esquizofrenia aguda, com Ralph Fiennes, Miranda Richardson e Lynn Redgrave.Uma das figuras mais familiares em Cannes, o diretor britânico Ken Loach, leva desta vez Sweet Sixteen (Doce Garota de 16 Anos). A Grã-Bretanha também está representada por Leigh com All or Nothing (Tudo ou Nada), sobre um fim de semana prolongado num conjunto habitacional operário de Londres, e Michael Winterbottom, com 24-Hour Party People (Gente que Festeja o Dia Todo).O diretor israelense Amos Gitai, que antes mostrou em Cannes Kadosh e Kippur, volta pela terceira vez em quatro anos com Kedma. O palestino Elia Suleiman, apresenta Intervention Divine. "Aqui a competição de Cannes abre espaço para dois filmes que são iniciativas de paz", disse o diretor do festival, Thierry Fremaux.Da Ásia, o diretor sul-coreano Im Kwon-taek, que apresentou o visualmente suntuoso Amor Proibido em 2000, volta com Chihwaseon. A China está representada por Ren Xiao Yao (Prazeres Desconhecidos), de Jia Zhang Ke.Quatro filmes franceses estão na competição: Demonlover (Amor Demoníaco), de Olivier Assayas, Irreversible, de Gaspar Noé, com Monica Bellucci e Vincent Cassel, L´Adversaire, de Nicole Garcia, com Daniel Auteuil, e Marie-Jo et Ses Deux Amours (Marie-Jo e Seus Dois Amores), de Robert Guédiguian.Kiarostami volta com 10 e os irmãos Dardenne apresentam Le Fils (O Filho).Serão exibidos fora de competição o último filme de Woody Allen, Hollywood Ending, sobre um diretor em fase difícil que vai trabalhar para sua ex-mulher (Tea Leoni), que abre o festival _ um trunfo para os organizadores, que sempre quiseram atrair o cineasta para a Riviera. And Now... Ladies and Gentlemen (E Agora... Senhoras e Senhores), do francês Claude Lelouch, vai fechar a mostra.As atrizes Sharon Stone e Michelle Yeoh farão parte do júri de nove membros que vai conferir a Palma de Ouro e será presidido pelo cineasta norte-americano David Lynch, o diretor esquisitão de Veludo Azul e Cidade dos Sonhos.Haverá tributos aos cineastas Jacques Tati e Billy Wilder, recém-falecido, e prevê-se que Martin Scorsese leve seus atores _ incluindo Leonardo DiCaprio e Cameron Diaz _ para uma projeção de um trecho de 20 minutos de seu muito esperado próximo filme, Gangs of New York.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.