Cannes abre homenagens ao cinema brasileiro

Emoção brasileira na Montée des Marches do Festival de Cannes. O mais importante evento de cinema do mundo estendeu ontem o tapete para que o ministro Gilberto Gil, da Cultura, e o diretor Carlos Diegues subissem a famosa escadaria na abertura da homenagem ao cinema brasileiro. O próprio programador de Cannes, Thierry Frémaux, esperava a dupla lá no alto, para declarar aberta oficialmente a seleção de filme que homenageia o Brasil. O primeiro filme foi Bye Bye Brasil, mas a música que ecoou no Palais foi do filme Quilombo, aquela que diz que existe um Eldorado negro e está no País. O ministro e o cineasta estavam visivelmente emocionados.Outra boa notícia para o Brasil em Cannes. Katia Lund integra o grupo de diretores de vários países reunido pela Unicef para um projeto que se antecipa muito interessante. O Fundo das Nações Unidas para a Infância convidou diretores de todo o mundo para um projeto coletivo que vai se chamar The Invisible Children, formado por curtas retratando a situação das crianças abandonadas de vários países. Do lançamento participaram Emir Kusturica, John Woo e Jordan Ridley, filha de Ridley, que vai dirigir seu episódio com o pai. Kátia anunciou que o curta dela será filmado em São Paulo. Co-diretora de Notícias de Uma Guerra Particuilar, de João Moreira Salles, ela fez um trabalho espetacular com as crianças de Cidade de Deus. Kátia vai fazer agora, no curta, seu primeiro grande trabalho-solo. O mundo todo estará de olho na diretora que tornou tão convincente a tragédia das crianças do filme que Fernando Meirelles adaptou do livro de Paulo Lins.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.