Copacabana Filmes
Copacabana Filmes

Cannes 2022: Versão restaurada de ‘Deus e o Diabo na Terra do Sol’ emociona plateia

Filha de Glauber, Paloma Rocha vê o retorno do longa a Cannes como final de um ciclo

Luiz Carlos Merten, Especial para o Estadão

18 de maio de 2022 | 18h45

CANNES - Foi emocionante. A Salle Buñuel estava quase lotada, com lugares disponíveis apenas nas laterais. Não representa pouco num festival como Cannes, com tantas seções, e atrações. Na sala que leva o nome de Luis Buñuel - e Glauber Rocha ganhou duas vezes em Cannes o prêmio que homenageava o mestre surrealista espanhol -, o público estava reunido para ver a versão restaurada, em 4K, de Deus e o Diabo na Terra do Sol, em Cannes Classics. 

Paloma Rocha, filha de Glauber, tinha 4 anos quando o pai participou da competição de Cannes. Foi um ano excepcional para o Brasil. Dois filmes na competição, dois marcos do Cinema Novo - Deus e o Diabo e Vidas Secas, de Nelson Pereira dos Santos. Ao Estadão, ela disse que o retorno do filme a Cannes fechava um ciclo. Para o fecho ser completo, tinha de ser na Salle Buñuel. 

Paloma estava no palco com o diretor de produção do restauro em 4K. Quando o filme foi lançado em DVD, já havia sido restaurado em 2K. Lino Meireles perguntou quantos daquele público imenso nunca tinham visto Deus e o Diabo? Um mar de mãos levantou-se. Ele contou como ficou impactado ao ver o filme em DVD, há 20 anos. Disse esperar que os jovens ficassem impactados como ele. Aos que já haviam visto o filme, como o repórter do Estadão, prometeu que seria uma (re)descoberta. “Vocês nunca viram Deus e o Diabo assim.” A promessa foi lindamente cumprida. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.