Cancelada exibição de aquarela de Hitler, no Japão

Um distribuidor de cinema japonês cancelou a exibição de uma aquarela de Adolf Hitler, que faria parte da divulgação de um filme sobre o ditador alemão, devido a protestos de um grupo de direitos humanos judaicos. A aquarela da igreja de São Carlos em Viena, sem data nem assinatura, deveria ser exibida a partir de sábado, em um teatro de Tóquio, na semana de estréia do filme Max, escrito e dirigido por Menno Myjes, que escreveu entre outros o roteiro de Indiana Jones e a última cruzada, o terceiro filme da série, junto com George Lucas e que foi dirigido por Steven Spielberg.O porta-voz da distribuidora Toshiba Entertainment Yasuhisa Indo, disse que a mostra foi cancelada devido "ao impacto da reação nacional e estrangeira". Antes, o distribuidor havia dito que a aquarela não chegaria a tempo.O filme Max gerou polêmica na estréia norte-americana em 2002, por dar expressão a uma das figuras mais repudiadas da história."Não há nada de humorístico ou humano em um dos assassinos mais ferozes e cruéis da história", disse a Liga de Defesa Judaica pouco antes da estréia do filme nos EUA. A trama conta a história de um marchand que ficou amigo de Hitler quando ele queria ser pintor durante o caos que se seguiu à derrota da Alemanha na 1.ª Guerra Mundial. O filme vai estrear como previsto e ficará em cartaz no Japão durante um mês, confirmou Indo.

Agencia Estado,

04 de fevereiro de 2004 | 16h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.