Campeão de bilheteria nos EUA é proibido na Rússia

O Ministério da Cultura da Rússia recusou licença para a exibição da comédia Borat: Cultural Learnings of America for Make Benefits Glorious Nation of Kazakhstan no país.O filme, estrelado pelo ator britânico Sacha Baron Cohen no papel de um falso jornalista fazendo uma série de entrevistas pelos Estados Unidos, recebeu críticas por ridicularizar o Cazaquistão, país vizinho e aliado da Rússia.Um funcionário do governo russo disse à BBC que o filme não terá distribuição em cinemas do país. Segundo o oficial, o filme pode humilhar grupos étnicos e religiosos. Ele não quis dar mais detalhes, mas acrescentou que os distribuidores têm o direito de apelar contra a decisão.Sátira usa repórter fictício do CazaquistãoA comédia surpreendeu, tornando-se campeã de bilheteria ao estrear nos Estados Unidos e Canadá no fim de semana passado.Nela, Borat, o repórter fictício do Cazaquistão, vai aos Estados Unidos pesquisar o estilo de vida do país.Com um humor que por vezes beira o ultrajante, o falso documentário revela aos poucos o caráter do personagem, que faz perguntas e comentários machistas, racistas, anti-semitas e homofóbicos.O filme revoltou muitos no Cazaquistão, inclusive o governo, que foi a público dizer que o país não corresponde à descrição do comediante e até convidou Baron Cohen para uma visita. Um diplomata do país disse que a idéia de um Casaquistão primitivo, violento e opressivo não tem qualquer relação com a realidade.Outros, no entanto, dizem que o verdadeiro alvo da sátira de Baron Cohen são os entrevistados americanos, que aceitam sem questionamento os maneirismos exagerados de Borat. Alguns críticos apontam o lançamento como o "filme mais engraçado do ano". Borat tem estréia prevista nos cinemas brasileiros para fevereiro.Sacha Baron Cohen é criador também de outro personagem de comédia, o rapper Ali G.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.