"Cama da Gato" faz carreira internacional

O filme Cama de Gato, deAlexandre Stockler, estréia nesta quinta-feira para o público doFestival Internacional de Cinema de Montreal e teráreapresentações na sexta e no sábado. Mas não será tão cedo quechegará ao circuito nacional, já que vai rodar primeiro osfestivais estrangeiros, como o de Quebec e outros da América doNorte, antes de desembarcar nos cinemas brasileiros. Cama de Gato é a típica produção que tenta conciliarbaixo orçamento e boa qualidade. Não consumiu mais do que R$ 120mil e um mês de filmagens. Reúne atores desconhecidos,recrutados para testes por meio da Internet. A equipe técnica ea trilha sonora também foram selecionadas após campanhaspromovidas na rede mundial de computadores. O número de atores inscritos foi maior do que oesperado. Foram cerca de 700 atores interessados em garantir umpapel no filme. O único rosto famoso na produção é o do jovemator global Caio Blat. Segundo Alexandre Stockler, o próprioBlat manifestou interesse pelo roteiro, mas não foi a primeiraopção do diretor. "Um outro ator deu problemas e Caio veio aSão Paulo fazer o teste", relata. "O primeiro teste não foibom, porque ele deu uma leitura própria ao personagem. Diasdepois, fez nova tentativa e foi muito bem." Caio Blat faz parte do trio de personagens centrais deCama de Gato. As sucessivas ações deles desencadeiam atrama. Utilizando-se de elementos como drama, humor negro ecrítica social, Stockler constrói o retrato de uma juventude declasse média alta paulistana, que tem acesso a tudo que os bensmateriais permitem. Para sair da mesmice, buscam novas emoçõesem suas vidas. Os três, que acabam de entrar na universidade,acreditam que esta é a última chance de se divertirem. Depoisvirá trabalho, família, responsabilidades. A busca de diversão a qualquer preço induz os jovens atomarem atitudes inconseqüentes, o que lhes causa problemas apartir do momento que rompem regras de comportamento. Suas açõesimpensadas acabam provocando incidentes não premeditados, comocrimes e estupro. Ao tentarem resolver os problemas, criamoutros. "O filme trata de conflitos éticos, públicos epessoais. É aquela história: as pessoas não podem fazer certascoisas, que são permitidas quando envolvem entes queridos",analisa o diretor. A trama ficcional é permeada por depoimentos verídicos,de jovens entre 16 e 20 anos, que discorrem sobre diversosassuntos de seu universo, como sexo, política, pais, Deus."Eles expõem situações parecidas com as que os personagensestão passando na tela." Para criar climas apropriados às cenas Stockler faz uso de diferentes bitolas de vídeo digital e 16mm. Trata-se da primeira produção do manifesto Trauma(Tentativa de Realizar Algo Urgente e Minimamente Audacioso),lançada em 1999, como uma resposta latino-americana ao movimentodinamarquês Dogma 95, que estabelece dez mandamentos para aprodução de um filme. O Trauma prega a realização delongas-metragens de qualidade, por meio de baixos orçamentos. Asdificuldades de produção devem servir como fonte criativa e nãocomo barreira para a concepção de um filme. Nesse seu primeiro trabalho para o cinema, AlexandreStockler sentiu na pele os dissabores de fazer uma produção comparcos recursos financeiros. Mesmo assim, não renegou osfundamentos do manifesto Trauma. Rodado entre julho e agosto de2000, Cama de Gato demorou quase um ano para serfinalizado. Stockler, que vinha de uma carreira no teatro, sabia queenfrentaria dificuldades, mas nem tantas. "Eu não tinha idéiados problemas que poderia vir a enfrentar sem ter dinheiro." Ele afirma que buscou patrocínio, mas não conseguiu porcausa de certas cenas do filme, como a do estupro. Para ter oinvestimento, precisaria modificar o roteiro. Preferiupreservá-lo. Diz ter enfrentado também propostas inescrupulosasde algumas empresas. Elas prometiam fazer investimentos, pormeio de leis de incentivo, desde que Stockler assinasse notasfrias confirmando o recebimento de quantia muito maior do querealmente tinha recebido. Parte do dinheiro, então, ficaria coma empresa. Quem quiser saber mais sobre a produção pode visitaro site www.camadegato.com.br.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.