Disney/Pixar
Disney/Pixar

Buzz: 'Lightyear' é banido em pelo menos 14 países por cena de beijo

Filme que conta a história de Buzz, do 'Toy Story' quando jovem, enfrenta controvérsia por representar breve cena com duas meninas se beijando

Redação, Reuters

15 de junho de 2022 | 08h13

A Disney não conseguiu permissão para estrear Lightyear, filme da Pixar que conta a origem de Buzz Lightyear, de Toy Story, em ao menos 14 países do Oriente Médio e da Ásia. Ainda é incerto se a produção será lançada na China, o maior mercado cinematográfico do mundo.

O filme, que retrata Buzz Lightyear, de Toy Story, quando jovem, enfrenta controvérsia por representar uma breve cena com duas meninas se beijando.

Os Emirados Árabes Unidos alegaram que a relação do casal viola os padrões de conteúdo de mídia do país. Outras nações, como Arábia Saudita, Egito, Líbano, Malásia e Indonésia, não explicaram por que proibiram o filme.

“Nós esperamos por um tempo em que não precisaremos nem ter essa conversa, nós poderemos ver um filme e nem piscar os olhos, nós não teremos que pensar, ‘oh, que esquisito’. Não é esquisito, é normal e deveria ser normalizado. Então, sempre que esses pequenos passos que os estúdios estão fazendo... às vezes parecem pequenos, mas são passos. São passos para normalizar humanidade e amor. E eu realmente sinto muito pelos países que não querem esse filme por causa de uma coisinha esquisita como essa", disse o ator Taika Waititi, um dos dubladores originais da animação.

Na maioria dos países que baniram Lightyear, a homossexualidade é considerada crime.

“Nós não ouvimos nada da China, estou assumindo que não vai chegar até lá. Eu sei que recebemos pedidos para cortar coisas. A Disney não vai modificar o material, nós não vamos cortar nada, especialmente algo tão importante como o relacionamento amoroso e inspirador, que mostra a Buzz o que ele está perdendo por causa das escolhas que ele está fazendo", disse a produtora Galyn Susman.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.