Sony Pictures
Sony Pictures

'Buscando...', um thriller na era das novas ferramentas

Premiado em Sundance, 'Buscando...' usa celulares e telas de computador para mostrar pai cuja filha desapareceu

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

23 Setembro 2018 | 06h00

Já virou lenda em Hollywood – para convencer os produtores de que tinha cacife para levar a realização de Buscando.... até o fim, o diretor Aneesh Cheganty preparou uma versão amadora, na qual interpretava todos os papéis. O sucesso foi grande e Cheganty conseguiu reunir o capital, e o elenco, para fazer seu filme que estreou na quinta, 20.

Nos últimos anos, o cinema tem buscado novas formas para contar velhas histórias. Um pai que procura a filha desaparecida está longe de ser uma trama original. Sabendo disso, Cheganty inova no aspecto formal. Em seu recente Unsane/Distúrbio, Steven Soderbergh já contara a história de uma mulher internada num instituto psiquiátrico – e que se considera perseguida por um assassino – utilizando como câmera somente um celular I-Phone. Há quase 30 anos, vale lembrar, Wimn Wenders, que presidia o júri de Cannes em 1989, viu o futuro do cinema em sexo, mentiras e videotape, que o estreante Soderbergh fez com uma câmera de vídeo.

O que faz Cheganty em Buscando...? Ele narra sua história por meio de câmeras de celular e telas de computador, como se o público estivesse seguindo em tempo real a tragédia desse homem que se desespera cada vez mais. Conseguirá ele localizar o paradeiro da filha? Existe certa semelhança com o nacional , Ferrugem, de Aly Muritiba, porque em ambos os filmes há um subtexto segundo o qual as pessoas, os pais inclusive, nunca chegam a conhecer completamente os filhos. De perto, todo mundo surpreende. Ninguém é normal? Em sucessivas entrevistas, Cheganty disse que se inspirou num videogame pelo qual é louco – Heavy Rain. Seu objetivo não era criticar a internet – “O mais certo seria criticar o uso que as pessoas fazem dela; é uma ferramenta, não tem culpa de nada”, chegou a declarar –, nem tampouco jogar simplesmente a carta do gênero.

De cara, antes mesmo que a garota desapareça, há uma espécie de apresentação da família. Cada membro possui um login no laptop de uso comum. A garota despede-se, diz que está indo para a casa de uma amiga. Por volta da meia-noite, o telefone toca duas vezes, mas papai nem se preocupa. Pela manhã, começa o pesadelo, quando ele percebe que a filha não voltou, não está na casa da colega. Sumiu! Aneesh Cheganty nasceu em Redmond, Washington, de pais indianos, em 1991 – tem 27 anos, portanto. Em 2014, seu curta Seeds fez sensação no YouTube, logrando 1 milhão de visualizações em apenas 24 horas. A partir daí, e sempre trabalhando com novas tecnologias, ele preparou o thriller Buscando... Em janeiro, recebeu o prêmio Alfred P. Sloan no Sundance. A carreira segue com o beneplácito de Hollywood e ele prepara Run, sobre garota que desconfia de que a mãe possui um segredo que a faz tornar-se perigosa, inclusive para a filha.

Mais conteúdo sobre:
cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.