Brasil tem 11 filmes no Festival de Havana

Onze filmes brasileiros vão ser exibidos no 24º Festival Internacional do Novo Cinema Latino-americano de Havana, que começa hoje em Cuba e vai até 13 de dezembro. Entre eles, destacam-se Madame Satã, de Karim Ainouz, Abril Despedaçado, de Walter Salles, e Uma Vida em Segredo, de Suzana Amaral. O Brasil é o país que mais filmes inscreveu no festival. Havana verá 41 longas de ficção, 31 documentários e 27 desenhos animados na disputa pelos prêmios Coral. O Crime do Padre Amaro, do mexicano Luiz Carlos Carrera e baseado em Eça de Queirós, foi indicado para abrir o festival na noite desta terça. O filme causou forte polêmica no México por ter cenas de sexo entre religiosos e por profanar símbolos católicos. Longas filas já eram vistas hoje na frente do Teatro Karl Marx, onde ocorrerá a projeção. O centenário de Cesare Zavatinni, um dos fundadores do neo-realismo italiano, é o mote das homenagens da Escoa Internacional de Cinema de San Antonio de Los Baños. O diretor da escola, o escritor colombiano Gabriel García Márquez, vai à Cuba especialmente para conduzir a homenagem. O 24º Festival de Havana vai ocupar 20 salas de cinema na capital do país, 13 cinemas em cidades do interior e 40 salas de vídeo. A programação também terá filmes da Argentina, Chile, Colômbia, Venezuela, Espanha, Uruguai e de Cuba. O evento costuma atrair multidões. No ano passado, 670 mil espectadores compareceram às salas de cinema do festival.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.