Brasil leva cinco filmes ao festival de Nova York

Após uma pequena participação no recém-encerrado 5.º Festival Internacional de Filmes Latinos de Los Angeles, onde o documentário Raiz Forte, de Maísa Mendonça e Aline Sasahara, ganhou o prêmio de sua categoria, cinco produções brasileiras serão apresentadas dentro do Latin Beat 2001!, em Nova York, mostra anual de longas latino-americanos organizada pelo Departamento de Cinema do Lincoln Center e que começa na sexta-feira em sua terceira edição.Memórias Póstumas, de André Klotzel, e Urbania, de Flávio Frederico, ambos que competiram no Festival de Gramado, no Rio Grande do Sul, serão exibidos na semana que vêm. Completam a seleção brasileira, os longas Amores Possíveis, de Sandra Werneck (e um dos filmes latinos mais populares nos festivais americanos deste ano); O Auto da Compadecida, de Guel Arraes, e o curta Uma História de Futebol, de Paulo Machline, que concorreu ao Oscar de sua categoria em março.O Brasil é o país com maior número de títulos dentro do Latin Beat, ao lado de Cuba, que ganha uma mostra especial de documentários sobre os seus ritmos musicais. Ao comentar a seleção deste ano, Richard Peña, programador do festival, salientou que a "renascença" do cinema latino se deve em grande parte ao "sucesso internacional de Central do Brasil (de Walter Salles) e Amores Brutos (do mexicano Alejandro González Iñarritu). Como já foi noticiado nos jornais franceses e apontado por Alberto Barbera, diretor do Festival de Veneza, a produção argentina parece impressionar os programadores de festivais. Peña cita que a produção atual portenha é "impressionante" dentro do adentramento dos filmes latinos.Segundo o cátalogo da mostra, o cineasta paulista André Klotzel "traduz efetivamente a sensação do diálogo íntimo entre leitor/espectador ao redor do qual Machado de Assis estruturou seu romance". É ressaltada também a atuação de Reginaldo Farias e Sônia Braga. Já Urbania, sobre a trajetória de dois outsiders nas ruas de São Paulo, tem seu tema comparado com os filmes Amores Brutos e o argentino Moebius, de Gustavo Mosquera.Em artigo do jornal New York Times, o crítico Elvis Mitchel diz que Memórias Póstumas possui "um hilário equilíbrio". "O filme é brincalhão e formal ao mesmo tempo e Klotzel está determinado a tirar do gênero de filme de época o seu caráter engomado." Já sobre Urbania, Mitchel descreve que o filme de Flávio Frederico é "desprovido de emoção labiosa e que o trabalho, apesar de ser sobre a tristeza, vai se tornando cada vez mais desolador".O crítico também fala de sua impressão da cidade de São Paulo, retratada em Urbania. "O filme nos leva a fazer tour por uma cidade que está mudando, mas, realmente, pelo que a gente vê por meio de uma fotografia em preto-e-branco é que a cidade está morrendo, com seus habitantes agindo como coveiros e lutando para continuarem indispensáveis." Participam filmes de 12 países latinos, incluindo co-produções com a Espanha e a França. O festival do Lincoln Center vai até o dia 5.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.