Brasil ganha prêmio de documentário em LA

A Academia da ImprensaInternacional escolheu, em Los Angeles, o documentáriobrasileiro A Vida em Cana como Documentário do Ano, eentregou ao diretor Jorge Wolney Atalla, de 32 anos, a estatuetaSatélite de Ouro. Atalla superou os outros fortes concorrentes,como Martin Scorcese (Minha Viagem à Italia),Fernando Trueba (Calle 54), vencedor do Oscar em 93, e JanHarlan (Kubrick, uma Vida no Cinema). Esse é o 12.º prêmiodo filme e o primeiro Satélite de Ouro conquistado pelo Brasilna categoria documentário. A Vida em Cana trata do universodos cortadores de cana por meio de seus discursos.A Vida em Cana é um documentário de longa-metragem que disseca a dura vida dos bóias-frias quevivem do corte da cana no centro-oeste paulista. Ofilme revela que, dos quase 230 milhões de toneladas de cana-de-açúcar que oBrasil anualmente produz, de forma manual, um único trabalhador chega aretirar por dia 20 toneladas de cana. Mais: o pagamento médio é de R$ 0,10por metro quadrado cortado. A Vida em Cana investiga aquela que talvez sejaa última geração de cortadores da história do Brasil, já que, pordeterminação do governo federal, toda a lavoura deve estar mecanizada até2015. O diretor e sua equipe passaram quatro meses em plantações na regiãode Dois Córregos, fazendo entrevistas e acompanhando de perto o cotidianodos lavradores, em que o analfabetismo, a falta de acesso à saúde e aexploração de mão-de-obra não-qualificada são moeda comum. Entre osdepoimentos, chama a atenção o de duas trabalhadoras que conseguiramrealizar um antigo sonho: conhecer a lanchonete McDonald´s de Bauru.O diretor Jorge Wolney Atalla, nasceu em São Paulo e formou-se em economia pela Universidade do Texas. Em 1998 iniciou seu curso de direção na New York Film Academy. Sua estréia na direção foi com o curta-metragem Princess, um trabalho de formatura, com o qual ganhou, em 1999, menção honrosa no Columbus International Film Festival. No final do ano passado, A Vida em Cana (In Cane for Life) ganhou prêmio de melhor documentário no New York International Independent Film & Video Festival.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.