Carl Court / AFP
Carl Court / AFP

Brad Pitt processa Angelina Jolie por vender sua parte do vinhedo francês onde se casaram

O casal tinha um acordo de não vender suas participações na Miraval sem o consentimento um do outro

AFP, Redação

18 de fevereiro de 2022 | 17h49

O ator americano Brad Pitt está processando a atriz Angelina Jolie, sua ex-esposa, nos tribunais do estado da Califórnia por vender sua parte do vinhedo francês onde os dois se casaram em 2008.

De acordo com uma ação apresentada por Pitt na Califórnia nesta quinta-feira (18), o casal "concordou que nunca venderia suas respectivas participações na Miraval sem o consentimento um do outro".

Outrora o casal mais famoso de Hollywood, as estrelas do cinema Pitt e Jolie compraram uma participação majoritária nos vinhedos do Chateau Miraval, no sul da França, e lá se casaram seis anos depois.

Mas eles dissolveram o casamento em 2016 e permanecem envolvidos em batalhas judiciais desde então, inclusive pelos direitos de custódia de seus seis filhos.

Em outubro do ano passado, Jolie vendeu sua participação para "uma fabricante de bebidas com sede em Luxemburgo controlada pelo oligarca russo Yuri Shefler", diz o documento legal dos representantes de Pitt obtido pela AFP.

Participação desproporcional 

O processo de Pitt alega que Jolie quebrou os termos do acordo original ao não oferecer a ele o direito de preferência por sua parte.

"Jolie há muito tempo parou de contribuir com a Miraval, enquanto Pitt investia dinheiro e suor no negócio de vinhos, transformando-o na empresa em ascensão que é hoje", afirma a ação judicial.

O texto descreve o vinhedo como um "pequeno negócio de vinhos não lucrativo" que "precisava de renovação" antes da compra pelo casal em 2008.

Pitt e Jolie pagaram por sua parte "aproximadamente 25 milhões de euros", cerca de 28,3 milhões de dólares. O ator contribuiu com 60% e Jolie com os 40% restantes.

Mas Brad Pitt passou a pagar pelas reformas "de uma maneira grosseiramente desproporcional à sua participação relativa na propriedade", com o entendimento de que Jolie não desistiria do investimento sem seu consentimento, alega o processo.

O ator levou Marc Perrin, um dos principais enólogos da França, para ajudar a transformar o negócio em um produtor líder de vinho rosé, mas "Jolie não participou desses esforços", continua.

Segundo a ação, as receitas do empreendimento subiram de cerca de 3 milhões de dólares em 2013 para mais de 50 milhões no ano passado.

Os representantes de Jolie não responderam imediatamente a um pedido de comentário da AFP.

Colapso

Pitt e Jolie começaram um relacionamento depois de protagonizarem o filme Sr. e Sra. Smith, de 2004, como um casal de assassinos.

Pitt era casado com a atriz Jennifer Aniston na época. O ator, agora com 58 anos, foi acusado de bater em um de seus filhos durante um voo da França para Los Angeles, pouco antes de Jolie pedir o divórcio, mas acabou sendo liberado pelo FBI e assistentes sociais.

Os dois anunciaram em 2018 que haviam chegado a um acordo amistoso sobre os filhos, três deles biológicos e três adotados.

No entanto, em julho do último ano, Jolie obteve uma vitória em sua batalha de custódia quando o juiz particular que supervisionava os assuntos de divórcio e custódia foi desqualificado.

Descobriu-se que o juiz John Ouderkirk, que também oficiou o casamento do casal, havia se beneficiado financeiramente trabalhando separadamente com os advogados de Pitt, portanto, um tribunal de apelações da Califórnia o retirou do caso, que foi para um novo juiz.

 

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaBrad PittAngelina Jolie

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.