Divulgação
Divulgação

Bond vs. Bond: O Retorno do 007

Gráficos mostram desempenho dos filmes e dos personagens ao longo dos filmes da franquia; '007 Contra Spectre' estreia nesta quinta-feira, 5, nas salas brasileiras

The Economist

05 de novembro de 2015 | 11h43

Oh, meu caro amigo...e assim nos encontramos novamente.

Spectre, o 24º filme de James Bond foi lançado em 26 de outubro na Inglaterra (e nesta quinta, 5, no Brasil), atraindo ainda mais fãs. Nossa popular identificação dos intérpretes de James Bond com “bebidas, sexo e corpos” também está de volta (você poderia dizer que ela vive só duas vezes), tendo sido publicada pela primeira vez em 2012 antes do lançamento do 23º filme da série, Skyfall. Este último filme deverá se tornar o mais bem sucedido da série até agora, superando Thunderball de 1965, o único filme de Bond com uma bilheteria de US$ 1 bilhão.

Descrito como um dinossauro misógino, sexista, por seu chefe, Bond, que sempre foi apanhado com mais do que as mãos para o alto trocou as conquistas por mortes, em grande parte para satisfação do público.

Daniel Craig, o sexto e atual James Bond, foi o que registrou mais sucesso até agora. Seus filmes como 007 rendem em US$ 835 milhões. Mas os orçamentos da produção também aumentaram. Os primeiros filmes de James Bond na década de 60 tiveram uma bilheteria 30 vezes mais os custos da produção. Embora com forte presença do público nos cinemas, os três mais recentes só superaram em quatro vezes o orçamento da produção. O filme ainda traz aqueles mesmos ingredientes, como as gravatas-borboleta, o Baccarat, os carros Aston Martin, as pistolas semiautomáticas Walther PPK e uma miscelânea de gadgets, além das tiradas irônicas espirituosas. O britânico durão pode não dar mais a mínima se o Martini que se tornou sua marca registrada foi batido ou só mexido, mas continua salvando o mundo à sua maneira bem peculiar.

Bond, que bom vê-lo de volta. Estávamos à sua espera.

Veja os infográficos (passe o mouse para interagir):

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.