REUTERS/Samrang Pring
REUTERS/Samrang Pring

‘Bingo’, Jolie e filme chileno sobre transexual estão entre os pré-selecionados ao Oscar 2018

Academia de Hollywood divulgou nesta quinta-feira, 5, a seleção oficial de 92 países que podem concorrer na categoria de melhor filme em língua estrangeira no ano que vem

Pedro Rocha e Thais Brunoro, ESPECIAIS PARA O ESTADO

05 Outubro 2017 | 15h26

A Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, responsável pela premiação do Oscar, divulgou nesta quinta-feira, 5, a lista oficial de produções selecionadas para concorrer a vagas na categoria de melhor filme em língua estrangeira no ano que vem. 

Ao todo, 92 países inscreveram filmes para a competição. Pela primeira vez na história, Haiti, Honduras, Laos, Moçambique, Senegal e Síria possuem candidatos. 

Pelo Brasil, como já havia sido divulgado anteriormente, o concorrente oficial será Bingo - O Rei das Manhãs, de Daniel Rezende, que já fez suas estreias nos cinemas do País. A América do Sul ainda tem outros concorrentes de peso. O venezuelano El Inca, de Ignacio Castillo Cottin, uma cinebiografia do boxeador Edwin Valero, chegou a ter sua exibição proibida pelo judiciário local, sob a alegação de que atentaria contra a honra e a vida pessoal do lutador. Já o chileno Uma Mulher Fantástica, de Sebastián Lelio, foi o vencedor do prêmio Teddy, voltado para produções LGBT, no Festival de Berlim deste ano - também já estreou no Brasil.

Pelo Camboja, como também já havia sido anunciado, o indicado é o filme de Angelina Jolie para a Netflix, First They Killed My Father, que já está disponível no serviço de streaming. 

Filmes que se destacaram no Festival de Cannes também foram pré-selecionados. O vencedor The Square, de Ruben Östlund, vai tentar vaga no Oscar pela Suécia. Happy End, de Michael Hanek (pela Áustria), 120 Batimentos por Minuto, de Robin Campillo (pela França), e Loveless, de Andrey Zvyagintsev (pela Rússia), também estão na disputa. 

Dos 92 filmes pré-selecionados, a Academia vai anunciar em dezembro uma lista menor dos que poderão, de fato, estar entre os longas indicados à edição de 2018 do Oscar, que serão conhecidos apenas em janeiro.

A cerimônia do Oscar no ano que vem será realizada em 4 de março - uma semana mais tarde que em 2017, por conta da realização os próximos Jogos Olímpicos de Inverno. O comediante Jimmy Kimmel novamente deve apresentar a premiação. 

Conheça, abaixo, todos os 92 concorrentes pré-selecionados para o Oscar de melhor filme em língua estrangeira de 2018.

Afeganistão: A Letter to the President, de Roya Sadat

África do Sul: Os Iniciados, de John Trengove

Albânia: Daybreak, de Gentian Koçi

Alemanha: In the Fade, de Fatih Akin

Algéria: Road to Istanbul, de Rachid Bouchareb

Argentina: Zama, de Lucrecia Martel

Armênia: Yeva, de Anahit Abad

Austrália: The Space Between, de Ruth Borgobello

Áustria: Happy End, de Michael Haneke

Azerbaijão: Pomegranate Orchard, de Ilgar Najaf

Bangladesh: The Cage, de Akram Khan

Bélgica: Racer and the Jailbird, de Michaël R. Roskam

Bolívia: Dark Skull, de Kiro Russo

Bósnia e Herzegovina: Men Don’t Cry, de Alen Drljević

Brasil: Bingo - O Rei das Manhãs, de Daniel Rezende

Bulgária: Glory, de Petar Valchanov e Kristina Grozeva

Camboja: First They Killed My Father, de Angelina Jolie

Canadá: Hochelaga, Land of Souls, de François Girard

Casaquistão: The Road to Mother, de Akhan Satayevhile

Chile: Uma Mulher Fantástica, de Sebastián Lelio

China: Wolf Warrior 2, de Wu Jing

Colômbia: Guilty Men, de Iván D. Gaona

Coréia do Sul: A Taxi Driver, de Jang Hoon

Costa Rica: The Sound of Things, de Ariel Escalante

Croácia: Quit Staring at My Plate, de Hana Jušić

Dinamarca: You Disappear, de Peter Schønau Fog

Egito: Sheikh Jackson, de Amr Salama

Equador: Alba, de Ana Cristina Barragán

Espanha: Summer 1993, de Carla Simón

Estônia: November, de Rainer Sarnet

Filipinas: Birdshot, de Mikhail Red

Finlândia, Tom of Finland, de Dome Karukoski

França: 120 Batimentos por Minuto, de Robin Campillo

Geórgia: Scary Mother, de Ana Urushadze

Grécia: Amerika Square, de Yannis Sakaridis

Haiti: Ayiti Mon Amour, de Guetty Felin

Holanda: Layla M., de Mijke de Jong

Honduras: Morazán, de Hispano Durón

Hong Kong: Mad World, de Wong Chun

Hungria: On Body and Soul, de Ildikó Enyedi

Islândia: Under the Tree, de Hafsteinn Gunnar Sigurðsson

Índia: Newton, de Amit V Masurkar

Indonésia: Turah, de Wicaksono Wisnu Legowo

Irã: Breath, de Narges Abyar

Iraque: Reseba - The Dark Wind, de Hussein Hassan

Irlanda: Song of Granite, de Pat Collins

Israel: Foxtrot, de Samuel Maoz

Itália: A Ciambra, de Jonas Carpignano

Japão: Her Love Boils Bathwater, de Ryota Nakano

Kosovo: Unwanted, de Edon Rizvanolli

Laos: Dearest Sister, de Mattie Do

Letónia: The Chronicles of Melanie, de Viestur Kairish

Líbano: The Insult, de Ziad Doueiri

Lituânia: Frost, de Sharunas Bartas

Luxemburgo: Barrage, de Laura Schroeder

Marrocos: Razzia, de Nabil Ayouch

México: Tempestade, de Tatiana Huezo

Mongólia: The Children of Genghis, de Zolbayar Dorj

Moçambique: Comboio de Sal e Açúcar, de Licinio Azevedo

Nepal: White Sun, de Deepak Rauniyar

Nova Zelândia: One Thousand Ropes, de Tusi Tamasese

Noruega: Thelma, de Joachim Trier

Paquistão: Saawan, de Farhan Alam

Palestina: Wajib, de Annemarie Jacir

Panamá: Beyond Brotherhood, de Arianne Benedetti

Paraguai: Los Buscadores, de Juan Carlos Maneglia e Tana Schembori

Peru: Rosa Chumbe, de Jonatan Relayze

Polônia: Spoor, de Agnieszka Holland

Portugal: São Jorge, de Marco Martins

Quênia: Kati Kati, de Mbithi Masya

Quirguistão: Centaur, de Aktan Arym Kubat

Reino Unido: My Pure Land, de Sarmad Masud

República Dominicana: Woodpeckers, de Jose Maria Cabral

República Tcheca: Ice Mother, de Bohdan Sláma

Romênia: O Intermediário, de Adrian Sitaru

Rússia: Loveless, de Andrey Zvyagintsev

Senegal: Félicité, de Alain Gomis

Sérvia: Réquiem para Sra. J, de Bojan Vuletic

Singapura: Pop Aye, de Kirsten Tan

Síria: Little Gandhi, de Sam Kadi

Slováquia: The Line, de Peter Bebjak

Slovênia: The Miner, de Hanna A. W. Slak

Suécia: The Square, de Ruben Östlund

Suíça, The Divine Order, de Petra Volpe

Taiwan: Small Talk, de Hui-Chen Huang

Tailândia: By the Time It Gets Dark, de Anocha Suwichakornpong

Tunísia: The Last of Us, de Ala Eddine Slim

Turquia: Ayla: The Daughter of War, de Can Ulkay

Ucrânia: Black Level, de Valentyn Vasyanovych

Uruguai: Another Story of the World, de Guillermo Casanova

Venezuela: El Inca, de Ignacio Castillo Cottin

Vietnã: Father and Son, de Luong Dinh Dung

Mais conteúdo sobre:
Oscar [prêmio de cinema] cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.