Bilheteria de "Fahrenheit 9/11" passa de US$ 100 mi

O que Shrek, Homem-Aranha, Michael Moore e Harry Potter têm em comum? Eles todos arrecadarm mais de US$ 100 milhões cada nos Estados Unidos. O documentário de Moore, que estréia sexta-feir no Brasil, sobre as políticas do presidente Bush e suas ações após os ataques terroristas de 11 de setembro arrecadou US$ 5 milhões neste fim de semana, levando o total de seu filme para US$ 103,35 milhões desde a estréia no final de junho, batendo um novo recorde para o gênero.A melhor bilheteria de um documentário de longa-metragem era do filme anterior de Michael Moore, Tiros em Columbine, vencedor do Oscar que fez US$ 21,6 milhões nas bilheterias após nove meses em exibição. Fahrenheit 9/11 fez mais que isso, US$ 23,9 milhões, apenas na primeira semana. Os efeitos do 11 de setembro e os acontecimentos posteriores dividiram os americanos com relação à decisão de Bush de invadir o Iraque, aumentando o interesse dos americanos por política e por documentários políticos, como Fahrenheit, Control Room e Outfoxed, disse Moore. "Atualmente é legal falar sobre política, e está é a primeira vez que isso acontece em décadas", disse Moore ontem. O efeito real de Fahrenheit 9/11 será encorajar os americanos normalmente desinteressados em política a participarem da próxima eleição, disse o cineasta. "Acredito que o filme trará muitas pessoas para as eleições, que de outra forma não votariam", disse Moore, que espera ver o DVD de Fahrenheit 9/11 lançado antes da eleição de novembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.