Bertolucci vai filmar assalto a embaixador japonês

O diretor de cinema italiano Bernardo Bertolucci realizará um filme sobre o assalto e a ocupação da residência do embaixador do Japão em Lima, em 1996, parte de um comando do Movimento Revolucionário Tumac Amaru (MRTA). O assalto aconteceu em 17 de dezembro durante uma recepção em honra ao imperador e teve 72 reféns, entre eles diplomatas, generais, chefes de polícia, o ministro de Relações Exteriores do Peru e um irmão do então presidente Alberto Fujimori. Em 22 de abril de 1997, as forças especiais peruanas libertaram os reféns e mataram os 13 guerrilheiros e seu líder, Néstor Cerpa."Durante quatro meses perdeu-se o sentido do tempo, foi como se tivessem estado fora do mundo, não se distinguiam quem eram os seqüestradores e quem eram os reféns", declarou Bertolucci em entrevista publicada nesta quarta-feira pelo jornal Corriere della Sera.Diretor de Os Sonhadores (2003), seu último filme, que trata sobre a revolta de 68 em Paris, destacou que, em sua nova produção, a música terá papel importante. O filme se baseará no livro Bel Canto da norte-americana Ann Patchett, que nos Estados Unidos vendeu um milhão de exemplares, acrescentou Bertolucci. "Durante a ocupação da sede diplomática, o único momento de tranqüilidade foi a presença da música porque um dos reféns era uma soprano que começou a cantar e desejou levar um vento de paz e união aos grupos", afirmou o diretor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.