Ben Affleck estrela o sombrio 'Garota Exemplar'

Em entrevista, ator diz que discorda da forma como o longa trata as relações; filme tem direção de David Fincher

Cindy Pearlman , THE NEW YORK TIMES

02 de outubro de 2014 | 03h00

Ben Affleck ganhou dois Oscar, um pela coautoria do roteiro de Gênio Indomável (1997) e o outro de melhor filme por Argo, em 2012. Tem três filhos, Violet, de 8 anos, Seraphina, de 5, e Sam, 2. Mas eles não ligam a mínima.

“As crianças não estão interessadas nas estatuetas”, disse Ben, falando ao telefone de sua casa em Los Angeles. “Meus filhos não se importam com cinema. Eles gostam de livros, bonecas e bolas. Mas, no outro dia, me perguntaram: ‘Papai, podemos ver Garota Exemplar?’Respondi: ‘Sim, quando fizerem 21 anos’”, comentou. “E eles: ‘Você só faz filmes chatos, para gente grande’.” 

Ben e a esposa, a atriz Jennifer Garner, não estão nem um pouco ansiosos para os pequenos assistirem a Garota Exemplar, um drama proibido para menores de 17 anos, sobre um homem (Affleck) acusado de assassinar a esposa (Rosamund Pike). No entanto, a película, adaptada por David Fincher do romance de Gillian Flynn é uma das mais esperadas do ano.

O ator, de 42 anos, contou que foi Fincher quem convenceu o estúdio a contratá-lo para o filme. “David disse: ‘Quero fazer uma coisa bem real sobre o casamento, inclusive os aspectos menos agradáveis’”, lembra Ben. “Um filme sem nenhuma vaidade, nenhum artifício. Ele queria que eu me apavorasse, que me sentisse vulnerável, autêntico e misterioso.”

O filme analisa o que um membro do casal sabe a respeito do outro, e dá algumas respostas incômodas. “Gillian é uma mulher bonita, agradável e que escreveu uma história muito sombria”, disse o ator. “E a interpretação de David da história chega a ser subversiva. Tive de viver a visão que ambos tinham do casamento, consciente que não correspondia à minha visão.”

Segundo Affleck, a autora levanta uma hipótese interessante no livro. “Para ela, no começo do namoro, tanto o homem quanto a mulher usam máscaras para mostrar ao parceiro o que ele quer ver. Quando casam, tiram as máscaras. Fiquei fascinado com a análise que ela faz da ‘moça legal’ - basicamente, Gillian afirma que as mulheres fingem, que elas agem dessa forma, e tudo se torna absurdo. Até eu, a certa altura, falei: ‘Puxa, então é isso?’ Acho que a ideia do livro pegou muita gente desprevenida”, acrescentou. “Por exemplo, talvez uma mulher diga que adora de futebol americano, mas depois se descobre que não gosta nem um pouco.”

O exemplo do jogo foi um gesto de educação, admite. “O livro não pinta um retrato cor de rosa dos homens ou das mulheres. É muito sombrio.” 

Affleck foi mais cauteloso a respeito de outro projeto que ainda está em andamento: Batman vs. Superman: Dawn of Justice, de Zack Snyder, cujo lançamento está previsto para 2016, com Ben no papel do Batman. A continuação, Justice League, já recebeu sinal verde.

“Será que não poderíamos falar sobre isto daqui a dois anos?”, brincou. “Aí vou poder contar quantas pessoas vieram falar comigo entusiasmadas com o filme.” Evidentemente, nem todo o entusiasmo foi positivo. A notícia de que ele tinha sido escolhido para o papel de Batman provocou uma enxurrada de críticas na Internet - fãs do homem morcego duvidam que Affleck, habituado com papéis mais leves, seja adequado para representar o personagem misterioso e atormentado de Batman.

“Eu o definiria como um entusiasmo negativo”, brincou Ben, com uma risadinha. “É o que acontece quando se faz este tipo de filme.” Ele será um dos primeiros a ver o filme, como no caso de Garota Exemplar. Ben sempre tenta ver seus filmes antes que sejam lançados.

“É melhor julgar o próprio trabalho antes dos outros”, justifica. “Com os filmes em geral tudo se resume a: os críticos dizem X e a bilheteria diz Y. Se vejo o filme antes e me orgulho do meu trabalho, posso ir embora sentindo-me satisfeito pelo resto da vida.” 

Nascido em Berkeley, Califórnia, Ben e seu irmão mais novo Casey cresceram em Cambridge Massachusetts. Ele sempre se sentiu atraído pela carreira de ator, assim como seu melhor amigo, Matt Damon, seu colega na Little League de beisebol juvenil.

Sua primeira aparição na telinha foi num comercial do Burger King e, quando adolescente, atuou em vários filmes de TV. Sua estreia na telona foi em Código de Honra (1992), no qual Damon também aparece, mas se passaram mais cinco anos até ele receber um papel importante em Procura-se Amy (1997), dirigido por Kevin Smith.

Entretanto, naquela altura, ele tinha outro projeto em andamento. Em 1995, Ben dividia um pequeno apartamento com seu irmão e Damon, os três igualmente frustrados por não conseguirem papéis importantes. Ben e Damon decidiram que, se os roteiros não fossem até eles, escreveriam o seu. O resultado foi Gênio Indomável, lançado oito meses depois de Procura-se Amy, cujo sucesso foi imediato. 

Estrelado por Damon, coestrelado por Affleck, quem ganhou o Oscar foi Robin Williams como coadjuvante, e Affleck e Damon receberam o de melhor roteiro. Em lugar de continuarem depois de Gênio Indomável com outro projeto de roteiro, cada um deles seguiu a carreira do estrelato.

Affleck interpretou algumas produções importantes, como Armageddon (1998), Pearl Harbor (2001) e Demolidor - O Homem sem Medo (2003), todas sucessos de bilheteria, mas também muito criticados. 

Sua carreira chegou ao fundo do poço em 2003, quando ele e Jennifer Lopez coestrelaram Gigli, um fracasso; os tabloides passaram a chamá-los Bennifer. O renascimento culminou em 2013, quando Argo ganhou o Oscar de melhor filme, apesar de muitos acharem que Affleck foi esnobado por não ter recebido sequer uma indicação como diretor. “Ganhar foi uma emoção e uma honra enorme”, diz. 

Ele pretende continuar representando, mas hoje dirigir é sua paixão. “Ser diretor me ensinou muito sobre interpretação”, explica. “Agora, vejo os atores de uma maneira diferente. Você descobre o que é real e o que não é numa interpretação.” / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

GAROTA EXEMPLAR

Título original: Gone Girl. Direção: David Fincher. Gênero: Drama (EUA/ 2014, 149 minutos). Classificação: 16 anos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.