Divulgação
Divulgação

Ben Affleck estreia 'Argo', seu 3º longa como diretor

Filme foi bem cotado pela crítica americana e desponta como um dos favoritos ao Oscar

Luiz Carlos Merten - O Estado de S. Paulo,

08 de novembro de 2012 | 19h52

Há um par de meses, quando esteve no Brasil para lançar a nova versão de Total Recall, que mantém no País o título de O Vingador do Futuro, Colin Farrell destacou o diretor com quem mais gostou de trabalhar - Steven Spielberg (em Minority Report - A Nova Lei). E acrescentou aquele com quem mais gostaria de filmar - seu colega Ben Affleck. O ex-parceiro de Matt Damon fez de tudo para se tornar um astro em Hollywood. Com o amigo, ele dividiu o Oscar de roteiro por Gênio Indomável. O prêmio deu prestígio a ambos, mas enquanto Damon manteve uma carreira low profile como ator, Affleck tentou de tudo. Herói de comédias românticas, de ação, nada deu muito certo. E ele ainda viu o amigo Damon estourar como o novo homem na série Bourne. Affleck, bye-bye?

Nãããooo. Iniciou uma nova carreira como diretor. Foi há cinco anos, com Medo da Verdade. Veio depois Atração Perigosa. Os críticos começaram a se dar conta de que Ben Affleck pode ainda não ser nenhum Clint Eastwood na direção, mas também não é só um diletante que resolveu se exercitar por trás das câmeras. Ele acaba de completar 40 anos (em 15 de agosto). Entra nos ‘enta’ em alto estilo, admirado pelos colegas (como Colin Farrell), estável na vida pessoal (com Jennifer Garner) e cada vez mais prestigiado como diretor. O terceiro longa, que estreia nesta sexta-feira, 8, é Argo, ambientado na crise dos reféns, no Irã, nos anos 1970. Tem cara de Oscar. Na imprensa norte-americana, as primeiras sondagens lhe dão 9X1 de que estará na disputa do próximo prêmio da Academia de Hollywood. Está sendo uma trajetória e tanto desde que, em 2004, Affleck ganhou a Framboesa de Ouro como pior ator, pelo conjunto de sua obra no ano (Contato de Risco, Demolidor e O Pagamento).

Aquele talvez tenha sido o pior ano da vida de Affleck. Ele ainda amargou o fiasco da união com Jennifer Lopez. A dona do bumbum mais desejado da ‘América’, quiçá do mundo - designá-la pelo traseiro não é nenhuma tentativa de objetalização; foi ela quem seguiu esse caminho ao privilegiar a anatomia na tela e nos shows -, teve com ele uma relação relâmpago, da qual saiu chiando (e já casada com outro). Para Affleck, era aceitar o fracasso ou reconstruir-se. Sabe o tema da segunda chance, essencial na cultura dos EUA (com o da eterna ‘volta ao lar’)? Foi o que fez Ben Affleck. Recomeçou/encontrou-se (como ator/diretor).

Hoje, particularmente, deve estar feliz. Democrata convicto, Affleck participou da campanha de Al Gore em 2000 e apoiou Barack Obama em 2008 e 2012. A reeleição do presidente e os elogios para Argo são motivos de euforia. Mas Affleck trata do que está sendo um vespeiro para Obama. O risco de uma bomba atômica iraniana pressiona os republicanos a que o presidente adote medidas duras - militares? - contra o regime de Mahmoud Ahmadinejad.

O novo longa de Affleck como ator e diretor, além de remeter a uma questão que deixa subtendidas outra - espinhosa -, lembra Mera Coincidência, que David Mamet escreveu para Barry Levinson. Lembram-se? Um presidente norte-americano envolvido num escândalo sexual, contrata uma equipe de Hollywood para simular uma guerra e distrair a opinião pública.

Agora, no filme de Affleck, um agente da CIA - o próprio ator e diretor - tenta resolver pela via da ficção uma crise de verdade. A ascensão do regime dos aiatolás, no Irã, não apenas depôs o Xá, tradicional aliado da América, como colocou no poder Khomeini, para quem os EUA eram o ‘grande Satã’. No quadro de manifestações antiamericanas, seis diplomatas asilaram-se na embaixada do Canadá. Todas as tentativas de solução pacífica para a crise fracassaram. Seria arriscado usar a força. Os EUA passariam de agredidos a agressores. Justamente por se recusar ao papel, o então presidente Jimmy Carter não foi reeleito. Era um presidente ‘fraco’, segundo os padrões norte-americanos.

No filme a solução do agente da CIA é contratar um produtor de Hollywood (Alan Arkin) e um maquiador premiado (John Goodman) para simular uma filmagem em Teerã, durante a qual a equipe tentará libertar os reféns e retirá-los do país. A ideia é engenhosa, mas perigosa. E o filme é uma comédia de ação com background político. No material que o estúdio - a Warner, utilizando seu logo da época - distribui à imprensa, Affleck conta que, sendo esse seu terceiro filme, já tinha confiança suficiente para saber que contaria sua história. Roteiro, atores, recursos - tinha tudo. Qual era o desafio, portanto?

Havia um, e grande. Errar no tom significava encrenca. "Há muito humor no roteiro e, se eu exagerasse na dose, ficaria uma comédia maluca e o público não iria se interessar pelo drama dos reféns. Neste caso, o filme teria sido um fracasso", reflete o diretor. Pois o objetivo não é criar um novo Trovão Tropical. É narrar um drama permeado de humor. É colocar na tela o amor de Affleck pelo cinema dos anos 1970 - a melhor época de Hollywood, segundo ele. Se conseguiu, é o que você, e talvez o Oscar, vão dizer.

Livro

Os detalhes da operação de Tony Mendez são o destaque do livro já lançado no Brasil.

ARGO

Autores: Matt Baglio, Antonio Mendez.

Tradução: George Schlesinger.

Editora: Intrínseca (256 págs., R$ 29,90).

ARGO

Direção: Ben Affleck. Gênero: Drama (EUA/2011, 120 minutos). Classificação: 14 anos.

 
Mais conteúdo sobre:
ArgoBen Affleck

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.