"Bellini e a Esfinge" decifra o talento de Malu Mader

Ela confessa que nunca esteve tão inquieta. Malu Mader passou muito tempo fora do ar, dedicada aos filhos - de 8 e 4 anos. Fez a última novela há quase dois anos - A Força de um Destino, curiosamente ao lado de Fábio Assunção, com quem ganha agora as telas com Bellini e aEsfinge. Malu é tiete total do filme de Roberto Santucci, queestréia na sexta-feira. Ama a personagem dela, Fátima, ereverencia mais ainda o texto escrito pelo maridão - o titã TonyBellotto. Está totalmente envolvida na campanha de lançamento deBellini e a Esfinge. Quer fazer mais cinema, voltar à TV.Mas gostaria, principalmente, de canalizar toda essa energiapara uma proposta nova em sua carreira. Malu quer escreverroteiros. É louca por dramaturgia, admite.Malu recebe a reportagem em sua casa nos Jardins. Elatem outra casa, no Rio. Fazia algum tempo que não vinha aqui. Aschuvas destruíram o jardim, o mato havia tomado conta de tudo.Quando a reportagem chega, a casa está tomada por operários,chamados às pressas para reconstruir o jardim. Malu é linda.Você, eu, a torcida do Flamengo podemos dizer isso. Ela jura quenão se acha particularmente bonita, mas sabe que tem um tipo e,mais que isso, tem o algo mais. É um brilho, um magnetismo queMalu projeta nas personagens que Gilberto Braga escreve para elana televisão e que o diretor Santucci também conseguiu captar emBellini e a Esfinge. Fátima é um arraso. Fátima ou Malu? Asduas...No começo de sua carreira, ela fez alguns filmes. Masfazia a namorada: "Minhas personagens em Feliz Ano Velho eDedé Mamata não possuem muita força", reconhece. Depois, veioa carreira vertiginosa na TV e o cinema, que ela ama, foirelegado a segundo plano. "Não tenho mágoa, acho que minhageração forneceu ótimas atrizes ao cinema brasileiro, mas agoraquero avisar que estou voltando." Fez um papel em Mauá,pelo prazer de trabalhar com o diretor Sérgio Rezende. Estavaamamentando o segundo filho, fez sua parte e saiu de cena. EmBellini e a Esfinge, foi fundo - na personagem e naprodução. Tem crédito de produtora. Aproveitou que aparticipação de sua personagem na trama é reduzida, sem deixarde ser forte. Ficou livre para acompanhar todo o processo decriação, do roteiro à captação e a rodagem e agora ao lançamento pela distribuidora de Carla Camurati.Acha que foi ótimo vivenciar todo o processo. Para quem,como ela, tem ambições de seguir uma carreira dramatúrgica,escrevendo roteiros, foi um aprendizado e tanto. Essa urgênciade escrever, de criar, ficou mais urgente nos últimos tempos.Ela viu e amou filmes como Amores Brutos e E Tua Mãetambém, ambos mexicanos. "A gente tem aquela idéia errada deque cinema é coisa de norte-americano, que só Hollywood podefazer; aí vêm esses filmes baratos, mas que colocam a nossa cara a nossa identidade na tela." Gostaria de fazer a mesma coisano cinema brasileiro. Cita cenas inteiras de E Tua Mãetambém. "A relação do rapaz com a empregada, o momento em queeles estarão na estrada e passam pela cidade dela, que aparecesó ao longe; aquilo tem um efeito sobre ele, mas ele cala. êpróprio da natureza masculina ser mais reservado, esconder maisas emoções. Acho isso lindo."Acompanhou e deu força à decisão do marido, quandoBellotto quis escrever Bellini e a Esfinge. "Ele ama ogênero policial, pode dissertar sobre autores e estilos commuita propriedade." Seu amor pelo marido vem mesclado deadmiração. "O Tony me ensinou muita coisa", explica. Umroqueiro-cabeça, do tipo intelectual. "Mais que isso: umroqueiro doce", ela define e abre aquele sorriso de mulherapaixonada. Ela acompanhou o processo de criação do livro.Palpitou sobre personagens e situações. Viu Fátima surgir páginapor página. A personagem tem alguma coisa dela? "A MaríliaGabriela fez a mesma pergunta para o Tony. Disse que a descriçãoque ele faz da Fátima, longilínea, sobrancelhas grossas, temtudo a ver comigo. Pode ser e eu até acho que no livro eletalvez tenha posto outras características que são mais minhas. AFátima do livro é uma espécie de anjo da guarda do Bellini. Nofilme, tivemos de mudar um pouco para aumentar o suspense,tornar a personagem mais dúbia."Captação - O processo de captação começou em 1996. Nãofoi fácil captar. Ela admite que todos pensavam que seria maisfácil. Afinal, nomes como o de Tony Bellotto, Malu Mader e FábioAssunção são daqueles que devem agradar aos diretores deMarketing das empresas. "Também pensamos que seria assim, masdemoramos quase quatro anos só na captação." Por um lado foibom: o roteiro foi sendo reescrito e, para baratear os custos,Santucci e o produtor Theodoro Fontes - irmão de GuilhermeFontes -, resolveram filmar em locações, em autênticos locais danoite paulista. Aquelas boates e inferninhos do centrodecadente. Como Fátima é prostituta, Malu teve assessoria dasmeninas das casas para fazer o papel. Jamais se refere àsprostitutas. Diz sempre: as meninas. Isso ajudou. Bellini e aEsfinge recorre a um visual "sujo" que serve aos propósitos datrama. Malu acha que foi a decisão acertada: colocar na tela abeleza da "feiúra" de São Paulo.Dependendo da recepção, a equipe está animada para fazera seqüência - Bellini e o Demônio. À espera desses novosprojetos - e papéis -, Malu faz uma pequena participação em OInvasor: "Adoro o cinema do Beto Brant." Quer escrever, comonão se cansa de dizer. E quer cuidar da família, dos filhos,tudo isso combinado com a volta às novelas. Revela que o fato degostar de relatos policiais não a impediu de certoconstrangimento ao fazer a minissérie A Justiceira. "Aquelacoisa de sair dando tiros, não me achava muito convincente. E oator tem de estar convencido para convencer os outros, porque nofundo representar é tornar verdadeira uma mentira." Começou aatuar cedo na TV, com 16 anos. Tem seus autores fiéis."Autores? Você quer dizer aquele, não é?" Só Gilberto Bragaescreve sob medida para Malu e ela retribui criando personagensmaravilhosas nas novelas e minisséries dele. Acha que aobra-prima dos dois é Anos Dourados.A próxima parceria com Gilberto Braga, na novela das 8,deveria ir ao ar agora, depois de O Clone, mas a Globoatirou mais para a frente. Antes, exibe a nova novela deBenedito Ruy Barbosa. A novela de Malu e Braga fica para o fimdo ano. Ela se preocupa: "O Gilberto sempre teve faro paraantecipar os assuntos; esse novo texto fala sobre o culto dacelebridade, a busca da fama a qualquer preço." Com arepercussão de programas como Casa dos Artistas eBig Brother, Malu teme que a novela e o debate que poderádesencadear cheguem atrasados à telinha. Mas confia no autor."Gilberto sempre merece crédito", diz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.