Patrick T. Fallon/The New York Times
Patrick T. Fallon/The New York Times

Bastidores: por dentro da cerimônia mais controversa da história do Oscar

Nos bastidores, um assistente de palco, Gary Natoli, percebeu o erro. “Meu Deus, ele está com o envelope errado!”, lamentou-se. A tragédia se anunciava.

Ubiratan Brasil, Enviado Especial

27 de fevereiro de 2017 | 20h11

LOS ANGELES - A 89ª cerimônia da entrega do Oscar, domingo, 26, em Los Angeles, já entrou para a história como a mais controversa de todos os tempos. O motivo foi o erro no anúncio da principal categoria, a de melhor filme – inicialmente, a estatueta foi conferida ao filme La La Land e, enquanto os artistas ainda celebravam no palco, a surpresa: houve uma lamentável troca de envelope e o correto anunciava Moonlight como o real vencedor. O que se viu foram vencedores e perdedores atônitos, assim como a plateia presente no Dolby Theatre e certamente os espectadores de todo o mundo que assistiam pela televisão.

Já era madrugada de segunda-feira, 27, em Los Angeles, quando a empresa de auditoria PricewaterhouseCoopers lançou um comunicado em que assumia o erro. “Os apresentadores receberam erroneamente o envelope de outra categoria e, quando isso foi descoberto, a falha foi corrigida”, diz um trecho do comunicado, que ainda pedia desculpas à equipe de Moonlight, o filme devidamente premiado, e também à de La La Land, longa que, por alguns minutos, sentiu a glória de ser o melhor.

Os apresentadores em questão são os veteranos atores Faye Dunaway e Warren Beatty, que trabalharam juntos no notável Bonnie & Clyde – Uma Rajada de Balas, filme de 1967. Eles se tornaram involuntariamente os principais personagens de um dos maiores erros da história da entrega do Oscar.

Tudo começou quando Beatty abriu o envelope, olhou o cartão e fez uma pausa. Olhou novamente para dentro do envelope na vã esperança de encontrar o papel certo. Nada. Beatty então voltou-se discretamente para o seu lado direito, em busca do auxílio do apresentador, Jimmy Kimmel. Novamente, nada. Buscou, então, um cifrado pedido de socorro: ao invés da tradicional e já famosa frase “The Oscar goes to…” (o Oscar vai para…), o ator disse “The Academy Awards…” (A Academia…).

Parecia um suspense brincalhão, que até provocou um riso nervoso de Faye. Nos bastidores, um assistente de palco, Gary Natoli, percebeu o erro. “Meu Deus, ele está com o envelope errado!”, lamentou-se. De fato, no cartão que Beatty tinha na mão estava escrito “Emma Stone – La La Land”, o nome da atriz que, momentos antes, recebera a penúltima estatueta da premiação, pela sua atuação no musical. A tragédia se anunciava.

Um dos produtores do espetáculo, Michael De Lucca, olhava atônito para o monitor de TV. Na mesa ao lado, diversos copos de champanhe já estavam semi vazios, fruto de uma comemoração que se revelou precipitada pelo sucesso do show. Nos bastidores, todos já sabiam que algo estava errado.

Beatty continuou com o suspense e tentou revelar a situação para Faye com um olhar mais fixo, que denunciava sua desorientação. A atriz, no entanto, não entendeu e, quando o ator lhe mostrou o cartão, na esperança de que também ela percebesse o engano, Fay imediatamente anunciou o musical como o grande vencedor da noite.

Como de hábito, diretor, elenco, equipe de produção, todos subiram no palco para festejar. A felicidade transbordava, os discursos se revezavam quando, dois minutos depois do anúncio, um dos produtores do musical, Jordan Horowitz, tomou o microfone para anunciar: “Houve um erro: Moonlight é o filme vencedor”. Diante da perplexidade e até de algumas risadas, ele reforçou: “Não é piada” e, apontando para a equipe de Moonlight, completou: “Venham, vocês são os vencedores”.

No mesmo instante, Beatty surgiu com o envelope cujo cartão constava o título do verdadeiro vencedor. “Eu não tentei ser engraçado quando demorei para anunciar o vencedor”, disse o veterano ator. Ao seu lado, o apresentador Jimmy Kimmel, responsável até então por uma noite memorável, com piadas de alto calibre, tentava controlar a confusão. “A culpa foi minha”, disse ele, ao vivo, sem, porém, convencer. De Lucca, depois de encerrada a cerimônia, agradeceu tal ato de companheirismo.

Não há relatos de erros da PwC em cerimônias anteriores. O que aconteceu foi uma falha humana. A empresa sempre mantém dois representantes na festa, um de cada lado do palco e ambos munidos com uma mala com todos os envelopes com os nomes dos vencedores. No domingo de carnaval, lá estavam Martha L. Ruiz e Brian Cullinan. Segundo fonte anônima ouvida pelo jornal The New York Times, Martha entregou a Leonardo DiCaprio o envelope que anunciou a vitória de Emma Stone. Assim, quando Faye Dunaway e Warren Beatty entraram em cena para anunciar o melhor filme, Cullinan deveria ter entregue o envelope correspondente, mas ele se enganou e deixou que Beatty levasse o da categoria anterior.

Ao perceberem que fora anunciado o filme errado como vencedor, Martha e Cullinan avisaram o stage manager, uma espécie de diretor de palco, que imediatamente entrou em cena e conversou sobre o problema com Beatty e Kimmel. Em seguida, aconteceu a caótica cena de desmentido, assistida pela multidão de celebridades presentes e dezenas de milhões de telespectadores na televisão. O estrago só não foi maior porque a audiência da transmissão da TV foi de 32,9 milhões de pessoas nos Estados Unidos, a menor desde 2008 e com queda crescente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.