Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Bárbara Paz relembra Hector Babenco em livro e filme selecionado para Veneza

Obras se desenvolveram simultaneamente, com a escrita abraçando o material que ficou de fora do documentário

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

25 de julho de 2019 | 21h39

A manhã do sábado, dia 13 de julho, foi especial para a atriz e produtora Bárbara Paz – ao checar os e-mails, descobriu um enviado pelos organizadores do Festival de Cinema anunciando que seu documentário Babenco – Alguém Tem Que Ouvir o Coração e Dizer: Parou estava selecionado para a mostra Venice Classics, que reúne filmes sobre cinema ou autores da área. “Foi uma felicidade abafada, pois eu não podia revelar até que o anúncio oficial fosse feito”, conta ela ao Estado. A lista foi divulgada nesta quinta, 25, e conta com outras produções envolvendo brasileiros.

Outros dois fatos tornaram aquele sábado ainda mais significativo: Bárbara estava em Paraty, onde lançou, à noite, Mr. Babenco (Nós), livro que reúne, em forma de diálogos, uma série de conversas francas, emotivas e reveladoras com Hector Babenco (1946-2016), um dos maiores cineastas brasileiros e que foi seu companheiro na vida e na arte. Finalmente, aquele sábado marcava o terceiro aniversário da morte do diretor.

“Ah, tem mais”, lembra ela. “Foi em Paraty que conheci Hector, há 12 anos.” Filme e livro se desenvolveram simultaneamente, com a escrita abraçando o material que ficou de fora do documentário. Mas ambos traçam um paralelo entre a arte e a doença de Babenco que, durante anos, lutou contra um câncer. Com a iminência da perda, Bárbara assumiu o projeto de resgatar as lembranças e sensações do cineasta que deixou clássicos como Pixote e O Beijo da Mulher Aranha, entre outros.

Não foi uma tarefa fácil – genial e genioso, Babenco era um artista que cultivava a desconfiança e logo percebeu que, se havia alguém capaz de revelar devidamente sua intimidade, seria Bárbara. Se alguém fosse revelar esse outro Hector, teria de ser ela. 

“Hector queria ser visto como um homem que contava histórias”, lembra Bárbara que, à medida que editava o documentário, notou a importância do vasto material cortado. Importante também foi o resgate de cadernos de juventude, em que Babenco deixou escritas poesias, trabalho que o acompanhou ao longo da vida. E, embora por vezes desdenhasse (“Isso é meio García Lorca, meio babaca”, afirma, em determinado momento), ele sabia da qualidade de seus versos.

“No geral, colecionei conversas, poesia, memórias e muitas histórias”, relembra Bárbara. “Eram encontros informais, em que tratamos de assuntos caros a ele, como os difíceis momentos que viveu na Argentina por ser judeu.” Babenco até descreve como desejava que fosse seu velório – em um rasgo de humor, pede a Bárbara que divulgue a falsa notícia de sua morte só para poder ler os obituários.

Impressiona, porém, a avaliação que faz da própria obra. Pixote, por exemplo, filme de 1980, nasceu de sua indignação com a situação dos meninos abandonados. “Eu tinha ido com um amigo fazer umas fotos numa unidade da Febem do Tatuapé. Dei meu telefone para vários dos meninos e não deu outra: um par de dias depois, houve uma fuga em massa e o telefone começou a tocar, e eu me encontrei com os meninos, eram 10 ou 12, fomos comer hambúrguer. Aí eles começaram a contar histórias. Decidi começar a construir histórias. Li o livro do (José) Louzeiro, Infância dos Mortos, e comprei os direitos. Assim nasceu Pixote”, conta.

Entre outras revelações – Burt Lancaster, por exemplo, viveria o homossexual Molina, de O Beijo da Mulher Aranha, se não sofresse um ataque cardíaco –, o livro reproduz o último diálogo gravado por Bárbara. No quarto de hospital, o cineasta prepara-se para jantar. Trava uma conversa delirante, mas pontuada por frases marcantes. “É como se a parede de tijolos que estava sendo construída não tivesse mais espaço para cima. Acabou, como se nada mais tivesse acontecendo que justificasse estar vivo”, diz, para arrematar: “É tudo Fellini!”.

Babenco e a dor

Luiz Carlos Merten

Desde a morte de Hector Babenco, e depois, por meio de sucessivas entrevistas, até quando colhia seu sucesso como Maggie the Cat no teatro, com a montagem de Gata em Teto de Zinco Quente, o belo texto de Tennessee Williams que originou o filme clássico de Richard Brooks com Elizabeth Taylor e Paul Newman, de 1958, Bárbara Paz falava sempre do seu ‘work in progress’, o documentário sobre o companheiro de vida, e arte, com quem fez o último filme dele, Meu Amigo Hindu

No ano passado, a Mostra homenageou Babenco exibindo a versão restaurada de Pixote, a Lei do Mais Fraco. Como complemento, apresentou uma palhinha do documentário de Bárbara, o curta Conversa com Ele. Basicamente, uma entrevista com Drauzio Varella, na qual o médico, escritor e apresentador dá um testemunho emocionado de sua ligação com o amigo ‘Hector’.

Foram anos como médico, amigo, interlocutor. Dr. Drauzio chega a dizer que Hector o enganou muitas vezes. Estava sempre morrendo, mas possuía uma energia que o fazia reviver. Amava a vida, e o cinema. Tinha histórias para contar, elas o energizavam. Contou-as em filmes que lhe deram tudo – prêmios, reconhecimento. Pode-se preferir as obras do começo – O Rei da Noite, Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia, Pixote, O Beijo da Mulher Aranha. A cena da Pietà, quando Marília Pêra acolhe Pixote nos braços, tornou-se clássica e o sucesso do filme, pelo qual Marília foi a melhor atriz do ano (1982) para os críticos de Nova York, foi decisivo para que Babenco virasse um diretor internacional.

Mesmo filmes que talvez não sejam tão grandes possuem fragmentos admiráveis. Ironweed, com aquela Meryl Streep bêbada, Brincando nos Campos do Senhor, Carandiru. A travesti de Rodrigo Santoro, o cão lobo que avança pelo corredor ensanguentado, representando a insanidade das 111 mortes na chacina do presídio. 

Babenco possuía uma direção de cena forte e foi, no geral, um grande diretor de atores. Existem histórias de que William Hurt e ele brigaram feito cão e gato no set de Mulher-Aranha, mas o resultado todo mundo sabe. Oscar, Bafta, melhor ator em Cannes. Hurt faturou os principais prêmios de 1985/86.

O documentário de Bárbara, selecionado por Venice Classics, ajudará a retomar a discussão sobre o grande artista que Babenco foi. Foi, não – é. A obra segue viva. Basta lembrar de Paulo José na noite paulistana, ou de Lilica, a menina travesti de Jorge Julião em Pixote. 

Babenco, argentino que se fez brasileiro por amor ao País, era insuperável naquilo que o crítico norte-americano Roger Ebert, nos seus tempos de Chicago Sun Times, definiu como “um olhar áspero para a vida que nenhum ser humano deveria ser obrigado a levar”.

Produtor brasileiro tem dois longas na disputa

“O nível dos competidores valoriza ainda mais nossos participantes”, comentou ao Estado o produtor Rodrigo Teixeira, da RT Features, produtora brasileira que participa com dois pesos pesados no Festival de Veneza: Wasp Network,dirigido pelo francês Olivier Assayas, inspirado no livro Os Últimos Soldados da Guerra Fria, de Fernando Morais, e estrelado por Penélope Cruz, Gael García Bernal e Wagner Moura; e Ad Astra, de James Gray, com Brad Pitt e Liv Tyler.

Teixeira sabe da dificuldade na conquista de prêmio, mas a indicação já serve como primeiro grande benefício. “Economicamente, abre muitas portas para a carreira do filme”, justifica ele, que confessa ter realizado sonho de adolescente ao trabalhar com astros como Brad Pitt.

O produtor também valoriza a participação latina, com a presença do chileno Pablo Larrain e do colombiano Ciro Guerra. “Além da argentina Lucrecia Martel na presidência do júri, o que confere um bom gosto natural nas escolhas.”

Veneza promete ainda mais surpresas – como a participação de três filmes produzidos pela Netflix, seguindo a boa relação com a empresa de streaming iniciada no ano passado: The Laundromat, protagonizado por Meryl Streep e Antonio Banderas e que não pode ser apresentado em Cannes; e os longas Marriage Story e The King, este fora de competição.

Outro destaque é J’acuse, novo filme de Roman Polanski a respeito do caso Dreyfus. E, entre os mais populares, a expectativa é grande para Coringa, longa que traz Joaquin Phoenix como o mais interessante dos rivais de Batman.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Netflix divulga as 5 séries internacionais preferidas do público brasileiro
  • Projeta Brasil do Cinemark apresenta filmes brasileiros por apenas R$ 4
  • Glória Maria faz cirurgia para remover lesão cerebral e passa bem
  • ‘Sonic - O Filme’: Internautas aprovam ‘reforma’ do personagem; assista
  • Lollapalooza Brasil 2020: confira o line up por dia 

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.