'Avatar' já é o segundo filme de maior bilheteira da História

Produção em 3D de James Cameron está atrás somente de 'Titanic', produzido pelo mesmo cineasta

Efe,

08 de janeiro de 2010 | 11h45

'Avatar' já arrecadou US$ 1,14 bilhões em todo o mundo. Foto: Divulgação/20th Century Fox

 

HOLLYWOOD - A última produção do diretor americano James Cameron, Avatar, se tornou nesta semana o segundo filme de maior bilheteira de todos os tempos, superado apenas por Titanic (1997), dirigido pelo mesmo cineasta, informou na quarta-feira, 7, a revista The Hollywood Repórter.

 

Veja também:

video Trailer de "Avatar"

 

Os mais de US$ 1,14 bilhões arrecadados por Avatar até o momento levaram o filme à segunda posição na classificação, superando O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei (2003), terceira parte da trilogia dirigida por Peter Jackson, que obteve pouco mais de US$ 1,12 bilhões enquanto esteve em exibição nas salas pelo mundo.

 

O êxito de Avatar se deve fundamentalmente ao sucesso fora dos EUA, onde o filme faturou mais de US$ 760 milhões, cerca de 66% de sua arrecadação total, mesma porcentagem de Titanic. O longa sobre o naufrágio, porém, arrecadou US$ 1,84 bilhões, bem à frente do novo filem de Cameron.

 

Hegemonia

 

Por conta dos resultados, os analistas começam a cogitar a possibilidade de que Avatar consiga disputar a hegemonia de Titanic, especialmente se conseguir êxito na próxima cerimônia do Oscar, dia 7 de março.

 

Além de Titanic, Avatar e da última parte da trilogia O Senhor dos Anéis, só duas produções conseguiram ultrapassar a barreira dos US$ 1 bilhão em venda de entradas. As outras duas produções bilionárias são Piratas do Caribe: O Baú da Morte (2006) e Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008).

 

Avatar e Titanic confirmaram James Cameron como o rei das bilheterias. O cineasta também é responsável por projetos como as duas primeiras filmagens de O Exterminador do Futuro e Aliens, o Resgate (1986).

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaAvatarfilmeCameron

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.