Audiovisual vira "supersecretaria" no governo

Com o fortalecimento do papel do Ministério da Cultura na fixação e condução de políticas para o patrocínio cultural, uma secretaria do ministério volta a ganhar peso: a Secretaria do Audiovisual. O secretário, Orlando Senna, já tinha se beneficiado com o retorno da Agência Nacional de Cinema (Ancine) ao âmbito do MinC, e agora deve começar a gerir recursos da agência para estimular o chamado "cinema cultural", aquele que não tem vínculos estritos com o mercado."A Secretaria do Audiovisual ganhou uma dimensão que não tinha antes, de gestão da política audiovisual do governo", considera Senna, que anunciou que será reeditada em breve a Medida Provisória que criou a Ancine, formalizando sua transferência para o Ministério da Cultura e trazendo ajustes nas atribuições de cada órgão."À Secretaria do Audiovisual compete cuidar do cinema na sociedade e à Ancine, cuidar do cinema no mercado", considera o secretário. Na nova MP que redefinirá as ações da Ancine, deverão ser tratados temas como os percentuais de cobranças de taxas, mecanismos de controle e regulação do mercado e as relações com o Ministério da Cultura.Senna não foi ouvido durante a discussão sobre os critérios de patrocínio cultural das estatais, mas não se surpreendeu com o desfecho. "Desde que fomos chamados pelo Gil, já tinha consciência de que iríamos trabalhar com a totalidade do espectro cultural, essa era uma decisão do governo", considera. "O que houve foi um pequeno ruído de entendimento, de como isso seria manejado. Havia um peso maior da Secom na definição dessa política e isso foi corrigido, e de maneira muito bonita, democrática", disse.Segundo Senna, a primeira parte da estratégia do Ministério da Cultura era procurar os recursos, "ir atrás do dinheiro". Agora, começam a entrar em cena as estratégias. No segundo semestre, promete, voltarão à cena os editais para a realização de curtas-metragens, roteiros e filmes de baixo orçamento. Em seguida - "ainda está em estudo", adverte - deverá haver também um concurso para o estímulo à produção de telefilmes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.