DENISE ANDRADE/ESTADÃO
DENISE ANDRADE/ESTADÃO

Atriz também decide sair da comissão de seleção do filme brasileiro ao Oscar 2017

Ingra Liberato comunicou sua decisão pelas redes sociais

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

26 de agosto de 2016 | 12h39

A atriz Ingra Liberato, 49, comunicou sua decisão de deixar a Comissão Especial responsável por indicar um longa-metragem como candidato brasileiro ao Oscar 2017. "Como a comissão tem sua legitimidade questionada por grande parte de nossa classe, me retiro em respeito a minha própria tribo, lamento profundamente esse conflito e torço para que nova comissão encontre legitimidade", escreveu a atriz em sua página no Facebook. A decisão ocorre um dia depois de o cineasta Guilherme Fiúza Zenha divulgar sua própria retirada.

"Há alguns dias comecei a sofrer por causa da retirada de alguns filmes preciosos. Estou diante da minha classe insatisfeita e clamando por justiça. Minha função diante da arte que me construiu nessa existência é atuar e escrever histórias. Não estou escolhendo um lado porque já o tinha feito desde sempre: Sou contra o golpe que impediu e retirou o governo eleito democraticamente, de suas funções", justificou a atriz.

A decisão ocorre dois dias depois de que diretores de filmes candidatos à indicação - Gabriel Mascaro (Boi Neon) e Anna Muylaert (Mãe Só Há Uma) - retiraram suas próprias candidaturas. A retirada ocorreu em defesa do filme Aquarius, de Kleber Mendonça Filho, que no início da semana recebeu a classificação indicativa para maiores de 18 anos no Ministério da Justiça.

Em um post de quinta-feira, 25, Ingra comentou que aceitou fazer parte da comissão "por pura devoção ao cinema, porque não ganhamos cachê para esse serviço e por enquanto estamos todos aguentando firmemente o que deveria ser um prazer, mas está sendo um peso de tirar o sono". 

Comissão. Compõem a Comissão Especial Adriana Rattes, Luiz Alberto Rodrigues (Beto Rodrigues), George Torquato Firmeza, Marcos Petrucelli, Paulo de Tarso Basto Menelau, Silvia Maria Sachs Rabello e Sylvia Regina Bahiense Naves - além de Guilherme Fiuza Zenha e Ingra Liberato. As inscrições se encerram no próximo dia 31 de agosto, e o anúncio do resultado será no dia 12 de setembro.

Dos nomes da comissão, é o do crítico Marcos Petrucelli o que vem causando mais discussões no meio audiovisual. Em seu perfil no Facebook, Petrucelli faz desde maio reiteradas críticas pessoais a Mendonça Filho, e também ao protesto feito pela equipe dele contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, no último Festival de Cannes.

“Vergonha é o mínimo que se pode dizer sobre a equipe e o elenco de Aquarius”, ele opinou na data do protesto. Cinco dias depois, postou: “Então foi assim: filme feito com dinheiro público vai a Cannes representar o Brasil e não leva prêmio algum. Ou seja, a mentira sobre o suposto golpe no País por meio de frases em papel A4 no tapete vermelho não adiantou muito além de expor o Brasil ao ridículo.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.