Joe Klamar/AFP
Joe Klamar/AFP

Atriz Olympia Dukakis, de 'Feitiço da Lua', morre aos 89 anos

Artista ganhou um Oscar interpretando a mãe de Cher na comédia romântica de 1987; causa da morte não foi divulgada

Brooke Lefferts, AP

01 de maio de 2021 | 18h27

Olympia Dukakis, a veterana atriz de teatro e cinema cujo talento para papéis maternos a ajudou a ganhar um Oscar como a mãe de Cher na comédia romântica Feitiço da Lua (1987), morreu na manhã de sábado, aos 89 anos, em sua casa em Nova York. A informação foi divulgada por Allison Levy, sua agente na Innovative Artists. A causa da morte não foi divulgada imediatamente, mas sua família informou que ela estava tendo problemas com de saúde há meses.

Dukakis ganhou seu Oscar por meio de uma surpreendente cadeia de circunstâncias, começando com a recomendação da autora Nora Ephron de que ela interpretasse a mãe de Meryl Streep na versão cinematográfica do livro de Ephron Amor e Fogo - Heartburn. Dukakis conseguiu o papel, mas suas cenas foram cortadas do filme.

Para compensá-la, o diretor Mike Nichols a escalou para sua peça de sucesso Social Security. O diretor Norman Jewison a viu nesse papel e a escalou para Feitiço da Lua. Dukakis ganhou o Oscar de melhor atriz coadjuvante e Cher levou para casa o troféu de melhor atriz. Ela se referiu à sua vitória em 1988 como "o ano dos Dukaki" porque foi também o ano em que o governador de Massachusetts, Michael Dukakis, seu primo, foi o candidato presidencial do Partido Democrata. Na cerimônia, ela segurou o Oscar bem alto sobre a cabeça e gritou: "Ok, Michael, vamos lá! "'

Dukakis, que nasceu em Lowell, Massachusetts, desejava ser atriz desde tenra idade e esperava para estudar teatro na faculdade. Seus pais, imigrantes gregos, insistiram que ela buscasse uma educação mais prática, então ela estudou fisioterapia na Universidade de Boston com uma bolsa da National Foundation for Infantile Paralysis. Depois de obter seu diploma de bacharel, ela trabalhou em um hospital com poucos funcionários em Marmet, West Virginia, e no Hospital for Contagious Diseases em Boston.

Mas a atração pelo teatro acabou levando-a a estudar arte dramática na Universidade de Boston. Foi uma mudança chocante, disse ela a um entrevistador em 1988, observando que havia saído do mundo calmo da ciência para outro onde os alunos gritavam rotineiramente com os professores.

"Eu pensei que eles eram todos malucos", disse ela. "Foi maravilhoso." Sua primeira apresentação na pós-graduação, no entanto, foi um desastre: ela sentou no palco, sem dizer uma palavra. Depois que um professor ajudou a curar seu medo do palco, ela começou a trabalhar em cinemas de verão.

Em 1960, ela fez sua estréia fora da Broadway e, dois anos depois, teve um pequeno papel em The Aspen Papers na Broadway. Depois de três anos com um teatro regional de Boston, Dukakis mudou-se para Nova York e se casou com o ator Louis Zorich. Durante os primeiros anos de casamento, os empregos na dramaturgia eram escassos, e Dukakis trabalhou como barman, garçonete e outros empregos.

Ela e Zorich tiveram três filhos - Christina, Peter e Stefan. Eles decidiram que era muito difícil criar filhos em Nova York com uma renda limitada, então se mudaram para uma casa centenária em Montclair, um subúrbio de Nova Jersey, em Nova York.

Sua vitória no Oscar manteve os papéis maternais no cinema. Ela foi a mãe de Kirstie Alley em Olha Quem Está Falando (1989) e sua sequência Olha Quem Está Falando Também, a viúva em Flores de Aço (2021) e a arrogante esposa de Jack Lemmon (e mãe de Ted Danson) em Meu Pai, uma Lição de Vida (1989). Seus projetos recentes incluíram a minissérie de TV de 2019 Crônicas de São Francisco e o próximo filme Not to Forgot.

Mas o palco foi seu primeiro amor. “Minha ambição não era ganhar o Oscar”, ela comentou depois de sua vitória em Feitiço da Lua. “Era para interpretar os grandes papéis.” Ela conseguiu isso em produções de Nova York como Mãe Coragem e seus Filhos, de Bertolt Brecht, Longa Jornada Noite Adentro, de Eugene O'Neill, e A Rosa Tatuada, de Tennessee Williams. 

Por duas décadas ela dirigiu a Whole Theatre Company em Montclair, New Jersey, especializando-se em dramas clássicos. Zorich morreu em janeiro de 2018, aos 93 anos. Enquanto sua paixão estava no palco, uma frase de sua performance vencedora do Oscar como Rose, no entanto, parecia adequada: "Eu só quero que você saiba que não importa o que você faça, você vai morrer, assim como todo mundo."

Tudo o que sabemos sobre:
CherOscar [prêmio de cinema]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.