Danny Moloshok/Reuters
Danny Moloshok/Reuters

Atriz Emma Watson pede acesso global ao aborto em carta aberta

No comunicado, a artista da franquia 'Harry Potter' homenageou uma mulher indiana cuja morte ajudou a tornar legal a prática na Irlanda

Lee Mannion, Reuters

01 Outubro 2018 | 22h09

LONDRES - A atriz Emma Watson pediu nesta segunda-feira, 1.º,  que ações sejam tomadas para acabar com leis restritivas sobre o aborto enquanto prestava homenagem a uma mulher indiana cuja morte ajudou a reverter a proibição da prática na Irlanda.

'O feminismo não é uma vara para bater nas outras mulheres', diz Emma Watson

Savita Halappanavar morreu em 2012 após sofrer um aborto séptico, depois que um hospital irlandês se recusou a terminar sua gravidez, provocando ampla revolta que ajudou a fortalecer a campanha para legalizar o aborto no país católico.

Em carta aberta, Emma Watson, atriz de filmes como A Bela e a Fera, Amor e Revolução e a franquia Harry Potter, disse que a dentista de 31 anos ajudou a concretizar “uma histórica vitória feminista que incentiva a luta pela justiça reprodutiva em todo o mundo”.

“Ainda há trabalho a ser feito. O aborto gratuito, seguro, legal e local é necessário em todo o mundo”, escreveu na carta publicada no site de moda Porter.

O aborto é altamente restrito em 125 países, afetando 42% das mulheres do mundo, em sua maior parte em países em desenvolvimento, de acordo com pesquisa publicada este ano pelo Instituto Guttmacher. O aborto é totalmente proibido em 26 países.

Mais conteúdo sobre:
abortoEmma Watsoncinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.