Atriz da Mongólia que sonhava em ser militar chega a Hollywood

Khulan Chuluun, a atriz daMongólia que desempenha um papel de destaque no filme cazaque"Mongol", indicado ao Oscar, diz que nunca desejou ser atriz. Ela queria trabalhar nas Forças Armadas. "Eu desejava estar no Exército, desejava estudar em umaescola militar", afirmou Chuluun, 23, à Reuters, em umapropriedade localizada nas geladas montanhas do sul doCazaquistão, onde o filme foi parcialmente rodado. "Mas não consegui ingressar na escola militar. Foi poracaso que acabei por me tornar atriz." Financiado por investidores cazaques e dirigido pelo russoSergei Bodrov, "Mongol" foi indicado ao Oscar de melhor filmeestrangeiro neste ano -- tornando-se a primeira produção doCazaquistão a conquistar tal feito. O épico de 15 milhões de euros (22 milhões de dólares) arespeito do conquistador mongol Gênghis Khan foi rodadoprincipalmente no norte da China e nas estepes do Cazaquistão-- um país que, como a Mongólia, é habitado por descendentes detribos de nômades. "O filme trata da Mongólia e de Gênghis Khan, que é como umDeus na Mongólia", afirmou Chuluun. A atriz foi escolhida para o papel de Borte, a destemidamulher de Gênghis Khan, quando estava em uma fila da embaixadachinesa em Ulan Bator, capital da Mongólia, dois anos atrás, afim de obter um visto. "Fui abordada (por uma mulher responsável pelo elenco). Elame perguntou se eu era da Mongólia. Eu disse que sim. Tudoaconteceu por acaso", contou a atriz. O filme "Mongol", uma série de batalhas épicas e tomadaspanorâmicas de paisagens recobertas por nevoeiros, relata umahistória de guerras e sobrevivência centrada no início da vidade Gênghis Khan, papel desempenhado pelo japonês TadanobuAsano. Na cerimônia do Oscar, em 24 de fevereiro, a produçãoenfrentará, na sua categoria, os filmes "The Counterfeiters"(os falsificadores), da Áustria, "Katyn", da Polônia,"Beaufort", de Israel, e "12", da Rússia. O filme mudou a vida de Chuluun, que se casou com umcazaque e hoje vive no Cazaquistão, um Estado muçulmano antespertencente à União Soviética.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.