AFP
AFP

Atriz Catherine Deneuve pede desculpas a vítimas de assédio sexual

Carta aberta assinada pela atriz provocou polêmica ao dizer que os homens deveriam ser 'livres para flertar

AFP

14 Janeiro 2018 | 21h21

A atriz francesa Catherine Deneuve, de 74 anos, defendeu sua assinatura de uma carta em defesa da "liberdade de importunar" dos homens divulgada na semana passada na França e que gerou polêmica, mas pediu desculpas às vítimas de assédio sexual em um texto publicado na noite deste domingo no site do jornal Liberation.

+++ Grupo acusa Catherine Deneuve de fazer 'apologia do estupro'

"Cumprimento de modo fraterno todas as vítimas de atos odiosos que possam ter se sentido agredidas por este texto publicado no Le Monde. É a elas, e apenas a elas, que apresento minhas desculpas", diz a atriz.

+++ Feministas francesas comparam Deneuve e críticos do movimento 'MeToo' a 'tio inconveniente'

A carta, assinada por 100 mulheres, defende a "liberdade de importunar" dos homens, considerando-a "indispensável à liberdade sexual" e indo de encontro à onda surgida com o caso do produtor de cinema Harvey Weinstein nos Estados Unidos, uma posição criticada e muito comentada nos últimos dias.

+++ 'Não existe o direito de importunar', defende a colunista Ruth Manus; veja mais repercussão

"Efetivamente assinei a petição (...) Sim, amo a liberdade. Mas não amo essa característica da nossa época em que todos se sentem no direito de julgar, ser árbitros, condenar", explica Deneuve, comentando o assunto pela primeira vez desde a publicação da carta.

"Uma época em que simples denúncias nas redes sociais geram punições, demissões e, com frequência, linchamentos na mídia (...) Não desculpo nada. Não decido sobre a culpa desses homens, já que não estou qualificada para isso. E poucos estão", assinala.

+++ Artistas e intelectuais francesas criticam 'puritanismo' de campanha contra o assédio

A atriz mostra preocupação com "o perigo das limpezas nas artes". "Vão queimar Sade? Classificar Leonardo Da Vinci como um artista pedófilo? Tirar os Gauguin dos museus? Destruir os desenhos de Egon Schiele? Proibir os discos de Phil Spector? Este clima de censura me deixa sem voz e preocupada com o futuro de nossas sociedades."

"Evidentemente, nada no texto afirma que o assédio tem algo de bom, do contrário não o teria assinado", afirma a atriz, que lembrou seu compromisso feminista na época em que assinou o manifesto das 343 a favor do aborto, em 1971. Para Deneuve, "a solução virá da educação de nossos meninos e meninas".

Mais conteúdo sobre:
Catherine Deneuve cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.