Salvatore Di Nolfi/EFE
Salvatore Di Nolfi/EFE

Ator Gael García Bernal faz apelo na ONU pelo fim da impunidade no México

'Não quero chegar aos 40 anos pensando que terei violência e impunidade sistemática no meu país', disse ele

Reuters

13 Março 2018 | 16h38

GENEBRA - O ator e cineasta Gael García Bernal pediu nesta terça-feira, 13, à Organização das Nações Unidas (ONU) e a governos de todo o mundo que pressionem o México, seu país natal, a acabar com a impunidade da corrupção e dos assassinatos em larga escala.

+++ Novo filme de Gael García Bernal recebe elogios no Festival de Berlim

Ativistas e investigadores da ONU acusaram forças de segurança mexicanas de crimes como execuções, torturas e desaparecimentos desde que os militares foram enviados para enfrentar os poderosos cartéis do narcotráfico em 2007. Mais de 100 mil pessoas morreram em episódios de violência ligados às drogas na década transcorrida desde então.

+++ Gael García Bernal considera Trump um canalha sem poesia

O país também está atravessando sua pior onda de crimes violentos - em 2017 houve mais de 25 mil assassinatos, uma taxa de quase 21 mortes para cada 100 mil pessoas. A campanha presidencial para a eleição de julho também vem sendo assolada pela violência.

+++ Gael García Bernal vira personagem de animação em novo filme

"As eleições estão chegando, as apostas são bem altas. Este é o momento, este é o momento para virar as coisas", disse García Bernal, de 39 anos, em uma coletiva de imprensa em Genebra, onde deve falar ao Conselho de Direitos Humanos na quarta-feira.

+++ Estrelada por Gael García Bernal, série mostra os bastidores da música clássica

"Não quero chegar aos 40 anos pensando que terei violência sistemática, impunidade sistemática no meu país".

Os crimes sem indiciamento estão ligados à "corrupção em larga escala, em grande escala", disse ele a uma comissão da ONU sobre o México reunida mais cedo."É um sistema que mantém as coisas como são".

García Bernal assistirá ao documentário "Mexico: Towards the End of Impunity?" no Festival Internacional de Cinema e Fórum dos Direitos Humanos em Genebra na noite desta terça-feira, 13.

"Quando os olhos do mundo dizem e retratam ou sinalizam que há algo errado no México, este é o único momento em que os políticos fazem algo no México", afirmou o ator.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.