Ator envolvido em pirataria é expulso da Academia

O ator Carmine Caridi, que chegou a ter papel na saga O Poderoso Chefão, foi expulso da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, que organiza e elege os vencedores no Oscar. Caridi é acusado de fornecer cópias de divulgação de filmes a um homem que mantinha um esquema de pirataria. O conselho da Academia se reuniu na noite de terça-feira para determinar a punição a Carmine Caridi, que tem 70 anos. Segundo o Hollywood Reporter, o ator foi expulso com base em um acordo assinado entre a Academia e a Motion Picture Association of America (MPAA), que representa os grandes estúdios de cinema americanos. O acordo libera o envio de cópias de divulgação aos eleitores do Oscar. No ano passado, a MPAA tinha proibido a circulação destas cópias, a fim de combater a pirataria. Um forte movimento de atores, produtores e diretores derrubou a medida. Mas a Academia ficou responsável por comprometer cada um de seus membros, por escrito, a não deixar as cópias de divulgação caírem em mãos erradas. As cópias são enviadas aos membros da Academia como peça importante na campanha dos filmes por uma estatueta do Oscar. Através de novas tecnologias, os DVDs e fitas enviados atualmente trazem identificações numéricas invisíveis. Foi assim que Carmine Caridi foi identificado depois que um homem que pirateava filmes foi descoberto pela polícia: eram suas as cópias de divulgação que paravam no mercado negro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.