Ator de "Cidade de Deus" diz que fome explica furto

Integrante do elenco principal do filme Cidade de Deus, Rubens Sabino da Silva, 19 anos, foi preso hoje, em flagrante, após furtar a bolsa de uma passageira em um ônibus da linha Piabas-Centro (382). Ao chegar ao Instituto Médico- Legal, no Centro, onde fez exame decorpo de delito, disse ter praticado o crime porque estava com fome. E, embora tenha acusado o diretor do longa-metragem,Fernando Meirelles, de não ter pago seu cachê, apelou para que ele o tirasse da prisão.Em depoimento na 14.ª DP, a vítima, a acompanhante de idosos Edilcilene Ferreira Rocha, 25 anos, contou que o ator sentou aolado dela logo após ter subido no ônibus. Cerca de dez minutos depois, ela se assustou quando o rapaz puxou sua bolsa ecorreu. O rapaz fugiu para o morro do Vidigal, em São Conrado (zona sul). Edilcelene saltou do ônibus, pediu ajuda e acaboureconhecendo Silva, que correu e, para não ser encurralado por pessoas da comunidade, pulou de uma ponte nas pedraspróximas da praia e se machucou. Ele foi preso em flagrante por policiais militares do 23º Batalhão (Leblon), com o celular davítima e R$ 25. O ator disse que havia escondido a bolsa em uma subida do morro.?Eu só roubei a bolsa porque estava com fome e não tinha dinheiro para comer?, disse Silva, ao chegar, descalço e sem camisa,ao hospital Miguel Couto, na Gávea (zona sul), onde foi medicado. ?O filme Cidade de Deus está rodando o mundo inteiro e oFernando Meirelles não me deu nem R$ 1?, afirmou. Mais tarde, já no IML, contou: ?Os caras (cineastas) vieram aqui para o Rio,montaram um grupo chamado Nós do Cinema, usaram todo mundo do morro e quando acabou o filme todo mundo foi embora edeixaram a gente aqui. O filme tem a maior bilheteria nacional e eu continuo morando na rua. Minha mãe continua catandopapelão, ferro velho para vender, para comprar um quilo de arroz?.Segundo ele, o cachê de R$ 5 mil até hoje não foi pago. ?A gente não pôde pegar a grana porque era menor na época. Só recebicomida e mais nada?. Depois de mostrar as algemas, fez um apelo ao diretor do filme: ?O Fernando está ganhando milhões nasbilheterias. Se ele pudesse me ajudar, queria pedir para ele me tirar daqui agora?, disse Silva, que fazia o papel de Neguinho,um traficante que mata um rapaz da favela e, com isso, dá início à guerra entre as facções rivais.O diretor do filme Cidade de Deus, Fernando Meirelles, ficou surpreso com a prisão por furto de Rubens Sabino, pois acreditavaque ele estava morando em São Paulo e trabalhando numa produtora, onde se especializava em computação gráfica. ?Pelomenos, ainda estamos pagando o quarto onde ele mora?, garantiu. Sabino chegou ao elenco do filme através de Kátia Lund, queo conheceu há alguns anos e o incluiu no clip do Rappa. Logo depois, o rapaz integrou-se às oficinas de escolha do elenco deCidade de Deus.Meirelles contou que, com o fim das filmagens de Cidade de Deus, ele e Kátia Lund, co-diretora, do filme, fundaram o grupo Nós do Cinema, para assistir ao elenco. ?Ele não quis ficar no grupo. Sequer participou dos quatro episódios de Cidade dos Homens,exibidos pela Rede Globo em outubro do ano passado e veio para a minha produtora, a O2, fazer um estágio. Pagávamos seuquarto, vale transporte, tíquete refeição e dois salários mínimos para as despesas básicas. Nossa exigência era de que ele nãoparasse de estudar e ele fazia o supletivo", conta Meirelles.O diretor lembrou que os outros jovens do elenco continuaram sua carreira. ?AlexandreRodrigues, o Buscapé, e Leandro da Hora, o Zé Pequeno, estão filmando Cafundó, em Curitiba, com o Paulo Betti e a RobertaRodrigues, está no elenco de Mulheres Apaixonadas, na Rede Globo. Os irmãos Jonathan e Felipe fizeram o filme Diabo aQuatro e estão trabalhando como modelo. Os mais jovens estão na produção de quatro novos episódios de Cidade dos Homens,a serem exibidos em outubro deste ano?, enumerou. ?Acho que o problema do Rubinho era a ansiedade. Ele queria que tudo acontecesse depressa. Aqui na produtora, era muitoesforçado, aprendeu rápido, mas com dois meses já queria ser diretor. Então, foi para uma empresa menor onde achava que teriamais espaço. Não falava com ele há dois meses e, para mim, ele estava trabalhando normalmente lá".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.