Robyn Beck / AFP
Robyn Beck / AFP

Associação responsável pelo Globo de Ouro é processada por monopólio

Processo para se tornar membro da HFPA, que dá direito a votar na premiação, é repleta de mistérios, segundo denúncias feitas

Redação, AFP

04 de agosto de 2020 | 07h30

A seleta associação de jornalistas que premia o Globo de Ouro foi acusada nesta segunda-feira, 3, de sabotar o trabalho de profissionais que não são membros, enquanto desfruta de luxuosos benefícios e um acesso sem precedentes às estrelas de Hollywood.

Um processo antimonopólio apresentado contra a Associação da Imprensa Estrangeira de Hollywood (HFPA) afirma que o grupo monopoliza ilegalmente a informação sobre o entretenimento em Los Angeles, ao mesmo tempo em que cria barreira quase impossíveis de ser superadas para a aceitação de novos integrantes.

"Durante todo o ano, os membros da HFPA usufruem de viagens com todas as despesas pagas para festivais de cinema do mundo todo, onde são tratados com luxo e todos seus desejos realizados pelos estúdios", acusa o processo apresentado pela jornalista norueguesa Kjersti Flaa.

"Os candidatos qualificados para admissão na HFPA quase sempre são recusados, porque a maioria dos 87 membros não está disposta a compartilhar ou diluir os enormes benefícios econômicos que recebe", completou.

Procurada pela AFP, a HFPA, que alega ter feito tentativas nos últimos anos de atrair membros mais jovens, rebateu as acusações, que considera reflexos de "tentativas repetidas de prejudicar" a organização.

A HFPA tem influência considerável no mundo do cinema graças ao Globo de Ouro, um dos prêmios mais importante de Hollywood e que abre caminho para a glória no Oscar.

Porém, o processo para se tornar membro da HFPA, que dá direito a votar na premiação, é repleto de mistérios.

Embora alguns de seus integrantes trabalhem para respeitados veículos da imprensa estrangeira, muitos são independentes e escrevem em publicações desconhecidas.

O processo detalha casos de membros que foram premiados pelos estúdios de Hollywood, incluindo uma viagem de imprensa da Disney a um hotel cinco estrelas em Singapura no ano passado.

"É claro que os estúdios se incomodam em ter que gastar enormes somas de dinheiro para satisfazer os desejos de algumas dezenas de jornalistas de idade avançada que regularmente são flagrados roncando durante projeções, mas, dada a importância do Globo de Ouro, os estúdios não conseguem por um fim a esta farsa", concluiu o processo.

Flaa solicitou a entrada na HFPA em 2018 e no ano passado, mas foi rejeitada nas duas ocasiões.

No processo, ela acusa jornalistas escandinavos rivais de terem bloqueado sua entrada, apesar de estar capacitada para integrar a HFPA de acordo com os critérios da associação. 

Qualquer jornalista estrangeiro que deseje ingressar deve ser apoiado por dois membros, mas o pedido pode ser rejeitado se apenas um membro vetar o nome.

A Associação de Imprensa Estrangeira de Hollywood "rejeitou a chantagem e afirmou à senhora Flaa que a aceitação como membro não é obtida por intimidação", indicou a HFPA.

A cerimônia de premiação do Globo de Ouro de 2021 foi adiada para o dia 28 de fevereiro devido à pandemia de covid-19


 

Tudo o que sabemos sobre:
Globo de Ourocinematelevisão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.