Lucy Nicholson/ Reuters
Lucy Nicholson/ Reuters

Ashley Judd processa Weinstein por difamação e assédio sexual

Atriz alega que ele prejudicou sua carreira depois que ela recusou avanços sexuais

Jill Serjeant, Reuters

01 Maio 2018 | 10h58

A atriz norte-americana Ashley Judd entrou com uma ação de difamação e assédio sexual contra o produtor de Hollywood Harvey Weinstein, nesta segunda-feira, 30, alegando que ele prejudicou sua carreira depois que ela recusou avanços sexuais.

O processo civil, apresentado no Tribunal Superior de Los Angeles, em Santa Monica, alega que Weinstein fez com que Judd perdesse uma participação em 1998 no filme O Senhor dos Anéis, ao propagar “manchas infundadas” contra ela.

O processo, visto pela Reuters, alega ainda que Weinstein “estava retaliando a sra. Judd por rejeitar suas demandas sexuais aproximadamente um ano antes, quando ele a encurralou em um quarto de hotel sob o pretexto de discutir negócios”.

“Weinstein usou seu poder na indústria do entretenimento para prejudicar a reputação de Judd e limitar sua capacidade de encontrar trabalho”, acrescentou o processo.

Weinstein tem negado sexo não consensual. Seu porta-voz não retornou imediatamente após pedido de comentário nesta segunda-feira.

Judd foi uma das primeiras mulheres em outubro de 2017 a fazer uma alegação de má conduta sexual contra Weinstein, que logo depois evoluiu para o movimento de mídia social #MeToo contra assédio e agressão sexual. O produtor vencedor do Oscar, desde então, foi acusado de indecência sexual por mais de 70 mulheres.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.