As muitas faces de um personagem contraditório

Curiosa foi a trajetória do arquiteto Sérgio Bernardes (1919-2002). De construtor de moradia das elites (é dele a casa de Lota Macedo Soares) e hotéis famosos (como o Tambaú, de João Pessoa), caiu em relativo ostracismo e deixou de ser referido como um dos grandes nomes da arquitetura nacional. Nos anos 1950-1960 era comparável a Oscar Niemeyer. Só que este firmou uma grife para posteridade, ao passo que a memória de Bernardes precisa ser resgatada por um filme a ele dedicado.

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S. Paulo

27 Junho 2014 | 19h14

O perfil de Sérgio Bernardes, neste documentário de Gustavo Gama Rodrigues e Paulo de Barros, é reconstruído com base em depoimentos de amigos e colegas e algumas antigas entrevistas gravadas com o próprio arquiteto. O neto, Thiago Bernardes, também profissional da arquitetura, funciona como uma espécie de mestre de cerimônias. É dele que parte a indagação sobre o esquecimento em que caiu o legado do avô.

Um dos méritos do filme é não esconder as contradições do personagem. No Brasil, entende-se que as biografias devam ser unidimensionais, como se as pessoas não fossem seres complexos e contraditórios. Aqui, Bernardes é visto de corpo inteiro. Inovador, excessivo, vaidoso, mulherengo, bigger than life, como se costuma dizer. Mas da mesma forma alguém que não se recusou a fazer projetos para os militares durante a ditadura, tentou ele próprio seguir uma folclórica carreira política e tornou-se visionário autor de projetos sem viabilidade. 

É paradoxal como personalidade tão ostensivamente egoica tenha forjado um conceito genial como o de “arquitetura invisível”. Ou seja, aquela que passa despercebida e se oculta, ou se mimetiza com o meio ambiente de modo a não agredi-lo. Traduz uma ideia de arquitetura humanista, que respeita cidades e pessoas. Mas esta é uma das facetas do homem. No extremo oposto, ele propõe um projeto para o Rio de Janeiro que transformaria a cidade numa alucinante metrópole futurista, digna dos quadrinhos de Flash Gordon. Por sorte não saiu do papel. 

Mais conteúdo sobre:
Sérgio Bernardes arquitetura Bernardes

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.