Metro Goldwyn Mayer/EFE
Metro Goldwyn Mayer/EFE

As estreias do cinema: 'Casa Gucci', infantis e mais

Longa de Ridley Scott trata do assassinato do herdeiro da grife, a mando de sua ex-mulher. Fim de semana tem também festival de cinema francês

Mariane Morisawa, Especial para o Estadão

26 de novembro de 2021 | 05h00

Casa Gucci, o segundo longa dirigido por Ridley Scott a sair neste ano (o outro é O Último Duelo), daria uma boa telenovela. Mas a história cheia de reviravoltas, com amores e ódios na mesma medida, é bem real e baseada no livro de não-ficção da jornalista Sara Gay Forden. O filme começa dizendo do que se trata: do assassinato de Maurizio Gucci (Adam Driver), herdeiro da grife Gucci, a mando de sua ex-mulher, Patrizia Reggiani (Lady Gaga).

Os dois se casaram em 1972, depois de se conhecerem em uma festa. Maurizio era meio tímido, e Patrizia, uma figura – socialite, ela é dada a extravagâncias, como ter um furão dentro da prisão. O longa fala do relacionamento conturbado, mas também das rivalidades na família Gucci, que começaram logo após a morte do patriarca e fundador da empresa, Guccio Gucci, que começou fabricando malas, acessórios e artigos de couro para cavaleiros.

Neto de Guccio, Maurizio Gucci (Adam Driver) estava tentando recuperar a imagem do grupo familiar como grife de luxo pois considerava que seu tio Aldo (Al Pacino) havia popularizado demais a marca. Ambos foram acusados de crimes. Sob a liderança de Maurizio, a família acabou perdendo o controle da companhia, em 1993. O elenco ainda tem Jared Leto, irreconhecível como Paolo Gucci, Jeremy Irons no papel de Rodolfo Gucci, e Salma Hayek como a vidente Pina Auriemma – curiosamente, a atriz mexicana é casada com François-Henri Pinault, hoje dono da grife Gucci.

A magia da Colômbia

Nova animação da Disney, Encanto coloca na tela a América Latina, mais precisamente a Colômbia. Em uma casa em que vivem várias gerações de uma mesma família e em que todo o mundo tem algum tipo de poder mágico, Mirabel (voz original de Stephanie Beatriz) fica frustrada por não ter nenhum.

O filme, dirigido por Jared Bush e Byron Howard e co-dirigida por Charise Castro Smith, tem oito canções originais de Lin-Manuel Miranda, o criador dos musicais da Broadway Hamilton e In the Heights (transformado no filme Em um Bairro de Nova York) e diretor de tick, tick... BOOM!.

Produção francesa recente

O Festival Varilux está de volta, trazendo o melhor do cinema da França. Entre os destaques estão os últimos longas de Laurent Cantet (Arthur Rambo, Ódio nas Redes), Emmanuelle Bercot (Enquanto Vivo, estrelado por Catherine Deneuve), François Ozon (Está Tudo Bem) e Jacques Audiard (Paris, 13º Distrito), além de uma adaptação de Ilusões Perdidas, de Honoré de Balzac, dirigida por Xavier Giannoli, e de Titane, de Julia Ducournau, vencedor da Palma de Ouro em Cannes.

O candidato do Brasil ao Oscar

Em um país tão dividido, Deserto Particular promove encontros e convida o espectador a olhar o outro com um pouco mais de afeto. Foi esse olhar amoroso em um tempo de tanto ódio que certamente ajudou na sua escolha para ser o representante do Brasil em uma disputa na categoria filme internacional do Oscar.

O longa de Aly Muritiba, que ganhou o prêmio do público na seção Venice Days, paralela ao Festival de Veneza, mostra dois lados do Brasil, a fria e cinzenta Curitiba, de onde vem Daniel (Antonio Saboia), um policial militar afastado por um episódio violento, e a quente e solar Bahia, onde mora Robson (Pedro Fasanaro), um vendedor de frutas vindo de uma família evangélica. Os dois sofrem pressão para agir conforme determinados padrões. Mas também encontram meios para se libertar deles.

O peso do passado

Em Imperdoável, Sandra Bullock é Ruth Slater, que sai da prisão após 20 anos de sentença por um crime violento. Ela quer reconstruir sua vida, mas a sociedade vai fazer questão de lembrá-la o tempo inteiro do seu passado. O filme, em cartaz nos cinemas, estreia na Netflix no dia 10 de dezembro.

Esposa exemplar

Na comédia A Sogra Perfeita, de Cris D’Amato, Neide (Cacau Protásio), recém-separada do marido, sonha com a liberdade. Mas seu filho mais novo, Fábio Júnior (Luis Navarro), continua em casa. Para tentar tirá-lo de lá, ela treina uma funcionária para ser a mulher perfeita para o rapaz.

Três Cravos

Em viagens por Uganda, Tanzânia e Namíbia, o fotógrafo Christian Cravo reflete sobre seu pai, o também fotógrafo Mário Cravo Neto, e seu avô, o escultor Mário Cravo Júnior, no documentário Cravos, dirigido por Marco Del Fiol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.